Bancos digitais de nicho: qual você poderia chamar de seu?

Eles chegam aos poucos e são voltados a segmentos específicos da população

O objetivo é oferecer atendimento, produtos e soluções especiais para atender às dores e necessidades de determinados grupos

Ter uma conta digital tem se tornado algo cada vez mais comum. Não é à toa, portanto, que cada vez mais também apareçam bancos digitais de nicho, que procuram agradar alguns segmentos mais específicos da população.

O objetivo dos bancos digitais de nicho é oferecer um pouco mais de personalização aos clientes, como um atendimento diferenciado e até produtos, serviços e promoções que tenham a ver com determinados grupos. Deste modo, o objetivo é tentar colocar em prática soluções mais específicas para dores ou demandas comuns.

Um dos exemplos é o D´Black Bank, banco do Movimento Black Money, um hub de inovação negro. De acordo com o Movimento, trata-se de uma fintech  que tem como objetivo principal conectar consumidores a empreendedores negros. O objetivo é apoiar e ampliar as possibilidades de negócios entre eles. 

“Além disso, somos um negócio social que visa a justiça econômica, atuando no fomento do empreendedorismo e da inovação para a população afrobrasileira”, explicam. O banco digital de nicho conta com produtos financeiros desenvolvidos “de preto para preto”, como explicam no site. Por exemplo, existe a maquininha pretinha, condições especiais de taxas, serviços de conciliação financeira e muitos materiais educativos específicos para quem quer empreender. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

bancos digitais de nicho
Imagem: Reprodução / Unsplash

Bancos digitais de nicho buscam atender demandas específicas

 

Outro case nesta área é o Pride Bank, banco digital de nicho voltado à comunidade LGBT. Trata-se, mais que isso, do primeiro banco digital LGBTI+ do mundo. De acordo com a instituição, o propósito é oferecer um banco digital completo e transparente que apoie a comunidade de forma rápida, responsável e transparente.

O banco já nasceu, inclusive, com o Instituto Pride, que recebe um percentual da receita obtida para uso em objetivos de apoio à causa. Tudo é feito através de uma parceria com a Welight, empresa de tecnologia social, que busca impactar a vida das pessoas da comunidade LGBTI+ apoiando causas sociais. 

Além disso, o banco oferece a possibilidade do cliente escolher o modelo de cartão e, consequentemente, o nome que ele quer que apareça. “A gente valoriza a sua história”, diz o site do Pride Bank.

 

Voltado para a alta renda

 

Finalmente, podemos citar um outro exemplo de banco digital de nicho que acabou de nascer: o AgZero, do Safra. Neste caso a idéia é alcançar, com uma marca independente, um perfil de cliente que valoriza uma relação mais ágil e simples, mas com a segurança de uma organização tradicional. 

O objetivo, além de alcançar mais público, é ampliar a estratégia digital voltada ao segmento de alta renda, na qual o Safra já está consolidado. “O objetivo desse movimento é ampliar a base de clientes que valorizam o modelo híbrido de banco: digital, mas com atendimento humano de excelência, com uma plataforma de produtos e investimentos de alta performance e com toda a expertise dos especialistas.”, explicou o banco.

Segundo comunicado do Safra, o AgZero e a conta digital completa são verticais diferentes, para personas distintas. Mas elas integram um propósito maior de tornar os canais digitais do Safra uma alavanca de negócios cada vez mais forte. 

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes