Alugar ou financiar? Saiba qual é a melhor opção no cenário atual

Os juros do financiamento são influenciados pela taxa Selic. No dia 5 de agosto o Copom definiu o indicador em 2% ao ano.

A decisão de alugar ou financiar um imóvel envolve uma série de fatores, como os juros e as parcelas do financiamento, o valor mensal do aluguel e a estabilidade financeira do cidadão.

A porcentagem dos juros do financiamento é influenciada pelos movimentos da taxa Selic. No dia 5 de agosto o Copom (Comitê de Política Monetária) definiu o indicador em 2% ao ano, antes estava em 2,25%.

De acordo com levantamento da Credihome, plataforma digital de crédito imobiliário, de quatro anos pra cá os juros médios referentes ao sistema financeiro de habitação (SFH) tiveram variaram de 12% ao ano para 7%, com queda percentual de cinco pontos.

Apesar da queda, os juros ainda são altos considerando o valor final investido. Segundo o consultor financeiro Douglas Maximiano, o repasse da queda da Selic não é total para os juros. Uma das justificativas usadas pelo setor imobiliário é a quantidade de inadimplentes.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Alugar ou financiar?

Para avaliar se é melhor alugar ou financiar, a pessoa deve levar em conta o valor das parcelas e do aluguel. Primeiramente, é preciso verificar um imóvel de interesse e o preço das parcelas que seriam possíveis pagar por mês.

Feito isso, avaliar preço de aluguéis menores que o da parcela da compra. Pode-se considerar morar por aluguel e investir o valor da diferença entre os dois, até chegar a quantia para comprar o imóvel à vista. O montante final e o tempo devem ser considerados para a escolha.

Mão segurando chave e casa de madeira
A decisão de alugar ou financiar envolve vários fatores (Freepik)

Simulação

Maximiano explica que esta é uma questão delicada. Fez uma simulação considerando uma casa no valor de R$ 300 mil em um financiamento de 30 anos. Com a taxa de juros à 7,49% ao ano e parcela inicial de R$ 2644,46. Caso a pessoa pague as parcelas corretamente nessas três décadas, resultará no montante de R$ 626.910,04, mais que o dobro o valor do imóvel.

Na mesma simulação se considerou um aluguel que vale R$ 1200, ou seja R$ 1444,46 à menos que o valor da primeira parcela. Considerando o reajuste anual de 10% no valor do aluguel, após 124 meses (pouco mais de 10 anos) o valor acumulado seria de R$ 303.772.

Desse modo, se o cidadão investir a quantia de R$ 1444,46 mensalmente no Tesouro Selic, teria em 15 anos o valor de R$ 300.508,57. Num cenário em que a taxa Selic seja a mesma (2%). Nas condições atuais, se o investidor optasse por ativo de CDB 100% CDI, chegaria ao valor desejado em pouco mais de 15 anos.

Assim sendo, o Tesouro IPCA+ seria a melhor opção dentre as três simuladas. Nesse investimento se chegaria a R$ 302.376 em quase 13 anos. “Se a pessoa entende um pouco mais de investimento e buscar uma rentabilidade de 10% ao ano, ela consegue acumular esses R$ 300 mil reais em 10 ou 11 anos” diz o consultor financeiro.

Simulação de valores
Simulação, alugar ou financiar (Douglas Maximiano)

Outros fatores a serem considerados – Alugar ou financiar

Os objetivos e desejos pessoais também devem ser considerados na escolha de alugar ou financiar. Manter um planejamento financeiro é essencial nas duas opções.

Ademais, no caso do aluguel, há a dependência do dono do imóvel, que tem a liberdade para de pedir para o inquilino sair em algum momento. Todavia, se a pessoa passar por problemas financeiros, pode procurar um lugar com aluguel mais barato. O que não acontece no financiamento, cujos valores das parcelas já estão definidos e a negociação é mais difícil, segundo Maximiano.

Para os imprevistos, o consultor sugere que as pessoas tenham uma reserva de emergência, que poderá ajudar nos dois cenários.

Financiamento de imóveis cresce na pandemia

Como a maioria dos setores, o ramo imobiliário foi afetado pela pandemia. Dito isso, pesquisa da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) indicou que em junho houve crescimento de 52,8% nos financiamentos em relação ao mesmo mês de 2019. Esse percentual é referente às compras feitas pelo Sistema
Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). Além disso, houve alta de 24,4% no primeiro semestre de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Para Maximiano, essa alta se deve ao fato de pessoas que já estavam se planejando comprar uma casa, aproveitarem a queda dos preços e as taxas menores. Quanto a maior diminuição dos valores ele diz que isso dependerá da procura, mas acredita que não haverá quedas mais drásticas.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes