Home office pode gerar conflitos trabalhistas

Especialistas dizem que alternativa encontrada pelas empresas nem sempre encontram o bem-estar do colaborador

Uma das saídas encontradas pelas empresas para driblar as restrições de circulação de pessoas, que vieram com a imposição da quarentena e do lockdown, foi adotar o home office, o trabalho em casa, e, dessa forma, continuar com suas atividades.

Mas nem tudo é tão simples nessa mudança nas relações de trabalho, afirma o advogado especialista em Direitos do Trabalho, Jonas Figueiredo, principalmente pela dificuldade em separar o horário de trabalho do de descanso.

As opiniões divergem. Ele explica que há quem defenda esse esquema de trabalho pela facilidade de o empregado realizar suas funções em um ambiente confortável, podendo até ter mais tempo para o lazer. Mas a prática vem mostrando o contrário, que as horas de trabalho podem ser esticadas em relação às que eram cumpridas na empresa.

Para o especialista, há que se considerar, ainda, o aspecto psicológico, porque a falta de contato com outras pessoas pode prejudicar a saúde mental. Nesse sentido a transformação da rotina também foi relevante. Há pouco mais de um ano, o normal era encontrar os colegas diariamente no ambiente de trabalho, e hoje a comunicação é remota, sem troca de impressões, conversas, ou o cafezinho.

Figueiredo esclarece que o home office pode ser algo muito vantajoso para empresas, se considerada a redução de custos com transporte e manutenção do ambiente de trabalho. Mas os ganhos podem ir além disso.

Teletrabalho: quais são os direitos do trabalhador?

Consequências do home office

“Com o teletrabalho, os colaboradores podem passar a realizar as atividades além do expediente e muitas vezes não serem remunerados por isso”, argumenta o advogado. “Por conta disso, o tempo após o serviço que deveria ser prazeroso, passa a ser mais estressante”.

Na sua opinião, o empregado que está trabalhando em casa também fica sujeito a perder a noção do tempo e exceder o dia de trabalho. Essa é uma das queixas mais frequentes dos trabalhadores, atualmente, de acordo com ele.

Se, por um lado, é comum o empregado acabar trabalhando horas a mais, de outro, há relatos de empresas que chegaram a instalar câmeras de segurança nos cômodos em que o funcionário trabalha. “Isso fere os princípios de liberdade”, afirma o advogado.

Independentemente de trabalhar em casa ou no escritório, alerta o especialista, os funcionários devem, por lei, cumprir a jornada de trabalho diária. Mediante o pagamento de hora extra, podem continuar em jornadas extraordinárias no home office. No entanto, ele considera que o ideal é evitar que o trabalho se misture aos momentos de lazer.

“A solicitação de respostas de e-mails, mensagens e ligações após o horário de trabalho caracteriza a jornada extraordinária e, quando não remunerada, é abuso”, ressalta Figueiredo.

Ele lembra ainda que muitos trabalhadores adoeceram por conta do serviço excessivo. “Nem sempre o adoecer é psicológico, mas também podem ocorrer por conta de mesas, cadeiras e outros instrumentos de trabalho inadequados que causam dores” diz o advogado

Nos últimos meses, foi o grande o número de empregados que, com esses problemas de saúde, solicitaram o afastamento do trabalho em home office com o recebimento do auxílio-doença ao INSS.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes