Juros baixos e preços atraentes: é hora de comprar imóvel?

Bancos que trabalham com o crédito habitacional não ajustaram os juros cobrados no financiamento da casa própria

As taxas de juro do financiamento imobiliário não se mexeram após a retomada de alta da taxa básica de juros, a Selic, que subiu 0,75 ponto porcentual, de 2% para 2,75% ao ano, na última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), em março. Por isso, muitos especialistas veem o momento como boa oportunidade para a compra de imóvel.

Até agora, os bancos que trabalham com o crédito habitacional não tomaram a iniciativa de ajustar os juros cobrados no financiamento da casa própria, apesar do avanço da Selic. Para especialistas, os agentes financeiros estão à espera dos próximos movimentos do Banco Central (BC), em relação à trajetória do juro básico, para possível decisão.

Até porque, após ter sinalizado nova alta da Selic na reunião de maio, o BC não deu mais indicação nessa direção e até sinalizou que que a decisão poderá ser outra, dependendo da evolução do cenário macroeconômico. E também dos juros americanos que, se antes embutiam expectativa de alta, agora parecem mais inclinados à estabilidade, de acordo com as autoridades econômicas americanas.

Juros estabilizados em patamares historicamente baixos no crédito imobiliário e preços de imóvel ainda relativamente baixos, em lenta recuperação, mantém a compra da casa própria como negócio interessante, afirmam especialistas em mercado imobiliário. Uma oportunidade a ser aproveitada.

Incertezas econômicas são risco ao financiamento de imóvel

A expectativa é positiva também por parte da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), que, pelos empréstimos fechados até agora, prevê para este ano a concessão de volume total de R$ 160 bilhões em empréstimo habitacional, crescimento de 27% em relação a 2020.

As condições financeiras são atraentes, os imóveis estão ainda com preços atraentes, mas a grande dúvida de quem pretende comprar a casa própria agora é o cenário de incerteza econômica provocada pelo coronavírus.

A insegurança é grande e não cabe nem sequer um planejamento mais consistente por causa das dúvidas que que cercam o futuro da economia, do emprego e de condições mínimas para bancar um contrato de longa duração, como é o de financiamento habitacional.

Uma das formas de diluir esse risco, para especialistas, é dar boa reserva de recursos como entrada do imóvel, juntando os recursos do FGTS, para quem tem saldo na conta vinculada. É uma forma de encurtar o prazo do contrato e reduzir o valor das prestações mensais.

À exceção dos recursos que formam a reserva de emergência, de acordo com especialistas, qualquer outro dinheiro que estiver na renda fixa, com baixa remuneração, também teria uma destinação mais interessante se empregado na compra da casa própria.

Você pode gostar também
buy cialis online