Em cenário incerto, confira um panorama para as ações da CVC

Papéis da empresa sofreram em 2020 com pandemia, investigação de fraudes e mudança de presidência.

Recuperação da atividade econômica e vacinação em massa tende a ser catalizador para as ações, que podem valorizar no longo prazo.

A pandemia de coronavírus trouxe mudanças gigantescas para os mais diversos setores da economia. Entre eles, o de viagens e turismo. Em um contexto de isolamento social, as operadoras de viagens praticamente pararam em 2020 e agora aguardam definições e novas mudanças nos rumos para voltar com mais força. Com tudo isso, o que entender a respeito e o que esperar das ações da CVC (CVCB3)?

Primeiramente, vamos a uma explicação sobre a empresa. A CVC é a maior operadora e rede de varejo de turismo do Brasil e das Américas. Isso em termos de valor de reserva contratada, passageiros embarcados, pacotes de turismo vendidos e número de lojas físicas. Fundada em 1972, atua em todos os estados do Brasil e no Distrito Federal por meio de lojas exclusivas, próprias e franqueadas e/ou agentes distribuidores. A Empresa também possui parceiros credenciados, além de uma plataforma de distribuição online.

 

2020 foi ano turbulento e afetou ações da CVC

 

Apesar da força que a empresa tem no mercado, ela sofreu enormemente os impactos da pandemia de coronavírus em 2020. Com isso, a recuperação da atividade econômica será um catalisador para as ações da CVC. O foco maior está na vacinação em massa e a solução sobre o descompasso da oferta e demanda por vacina no Brasil.

Além da pandemia, a CVC também sofreu com uma investigação de fraude contábil e mudança na presidência. “Leonel Andrade, o novo CEO,  assumiu em abril de 2020, no auge do pior mês para o setor do turismo nesta pandemia. A CVC também teve que fazer ajustes contábeis nos balanços de 2018/2019, cuja divulgação foi postergada devido à descoberta de irregularidades em demonstrações financeiras de anos anteriores. Mas temos visto esforços para recolocar a companhia na trajetória de recuperação com visão de futuro”, explica Régis Chinchila, analista da Terra Investimentos.

Leia também

Ações americanas mais compradas pelos brasileiros no começo…

Quer ganhar dinheiro na Bolsa de Valores? Saiba o que…

O especialista acredita em uma recuperação lenta das ações da CVC com o movimento de reabertura das economias, com desafios e competitividade aumentando ao longo de 2021. “Um ponto importante vem do volume do mercado corporativo, que são os grandes eventos, feiras e exposições, o que só deve acontecer no final do ano que vem.”

ações da CVC
Imagem: Reprodução

Retomada dos níveis de 2019 em 2022

 

- PUBLICIDADE -

Para o analista da Terra Investimentos, a retomada do patamar de vendas de 2019 deve se dar apenas no final de 2022 para a CVC. Ele explica que a empresa vem passando por movimentos de reestruturação, pela digitalização total dos processos, reformulação da equipe, contratação de 34 executivos nos últimos quatro meses e redução no número de lojas físicas. Além disso, em novembro, a CVC  anunciou um programa de reestruturação de dívida de R $1,5 bilhão. “Além disso, tivemos também o aumento de capital em setembro, no valor de R $301,7 milhões com a emissão de 23.500.000 ações.”, explica Chinchila.

 A grande aposta para a CVC, de acordo com Chinchila, está no mercado doméstico. “A retomada deve favorecer a empresa, pois continua sendo umas das maiores do Brasil. Por outro lado, o volume de lazer internacional tardará um pouco mais a voltar, e só deve retomar em níveis consideráveis em 2022”, explica. A Terra Investimentos acredita em preço estimado entre R$ 27 e R$ 30 para 12 meses. Para se ter ideia, na última quarta-feira, dia 17, as ações da CVC fecharam em R$ 19,50.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes