Artistas de NFT se unem para ajudar site de notícias russo Meduza

81 artistas da Rússia, Ucrânia, Bielo-Rússia e do Cazaquistão farão leilão de arte digital após pressão do governo sobre site

Alguns artistas se juntaram em uma iniciativa para ajudar a Meduza, um importante meio de comunicação russo que recentemente foi pressionado pelas autoridades do país, e estão lançando um leilão de arte digital com NFTs. Com apoio de dois grupos de artistas, o NFT Bastards e o Non-Fungible Females, o leilão foi anunciado pela Meduza, na terça-feira, 25. Ao todo, 81 artistas da Rússia, Ucrânia, Bielo-Rússia e do Cazaquistão participarão da criação de duas colagens, compostas por videoclipes e fotos dedicadas ao veículo de comunicação. Os NFTs serão disponibilizados na plataforma Rarible, na quinta-feira, 27.

A artista moscovita Sasshhaaaart, idealizadora do projeto, disse, em entrevista ao CoinDesk, que a ideia de reunir artistas para a ação surgiu após saber que a Meduza iniciou uma arrecadação de fundos depois de ser designada como ‘agente estrangeiro’,  rótulo que trouxe prejuízos financeiros e à reputação do canal. Segundo Sasshhaaaart, a censura é preocupação constante no país, compartilhada principalmente entre jornalistas e artistas. 

Leilão de NFT ajudará o site Meduza

“Não é normal quando um pintor, um artista, um músico, um escritor ou um jornalista tem medo de se expressar. Ninguém quer que uma marca sombria seja colocada em seu nome e depois seja perseguido”, disse a artista.

O editor-chefe da Meduza, Ivan Kolpakov, admitiu que a ideia não foi do veículo e agradeceu pelo engajamento dos artistas. “Depois de sermos considerados um agente estrangeiro, no dia seguinte, os artistas do NFT entraram em contato conosco por meio de todos os canais possíveis. É como um feixe de luz no escuro”, avaliou. 

A imputação de agente estrangeiro foi dada à Meduza pelo Ministério da Justiça da Rússia em abril. A equipe editorial informou aos leitores que o rótulo ameaçador espantou os anunciantes e obrigou o veículo a cortar drasticamente as despesas, incluindo o salário dos jornalistas. 

“Perdemos todos os nossos clientes de publicidade em uma semana, nosso plano de receita anual foi para zero de uma vez”, disse Kolpakov. “E então a arrecadação de fundos começou”, completa.  

No final de abril, a Meduza lançou doações em dinheiro e criptoativos, tornando-se um dos poucos meios de comunicação na Rússia que usa criptomoedas. A iniciativa foi positiva e, em menos de um mês, o veículo recebeu várias doações, alcançando perto de 0,88 bitcoins e 22 ETH no total, o equivalente a aproximadamente US$ 96,5 mil, na cotação desta quarta-feira, 26.

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.