Quadro do Atlético Mineiro é leiloado em NFT por US$ 5 mil

Ação foi a primeira do Atlético envolvendo NFT e clube foi o pioneiro em vender produto entre os times sul-americanos

Terminou no domingo, 30, o leilão do quadro digital “2013 – São Victor”, do artista Pedro Nuin, retratando a defesa do então goleiro Victor contra o Tijuana, do México, nas quartas de final da Copa Libertadores daquele ano, em que o Atlético Mineiro sagrou- se campeão. 

Primeira ação do time no mercado NFT (token não fungível), o quadro do Atlético Mineiro foi arrematado por 2 ETH, valor pouco acima de US$ 5 mil, ou aproximadamente R$ 26 mil. O Atlético não pode revelar qual a porcentagem é de direito do clube por questão de cláusulas de confidencialidade, mas confirmou que passa de 50%. 

A OpenSea, plataforma onde foi realizado o leilão, não divulga a identidade do comprador e informou apenas que a compra foi feita nos Estados Unidos.

A iniciativa do Galo Mineiro em leiloar um produto com tecnologia NFT foi a primeira de um time sul-americano, graças, principalmente, ao departamento de inovação recém-criado, que tem buscado formas inéditas para aumentar a receita do clube.  O gerente de inovação do clube, Felipe Ribbe, comemorou no Twitter o sucesso do leilão.

Atlético Mineiro foi primeiro sul-americano a usar NFT em leilão

“O 1º leilão de uma obra em NFT realizado por um clube na América do Sul terminou ontem; a obra foi arrematada por quase US$ 5 mil. Nosso objetivo não era financeiro e sim o aprendizado com esta nova tecnologia, mas podemos dizer que financeiramente foi um sucesso também”, afirmou.

Na semana anterior, Ribbe já havia falado sobre a parceria com a Sorare, plataforma de fantasy game nos moldes do Cartola FC, que também negocia cards dos atletas em NFT. 

Na ocasião, ele contou que o clube já considerava um sucesso a incursão ao mercado NFT, com os cards dos jogadores do Atlético vendidos na plataforma superando os 212 mil euros (cerca de US$ 1,4 milhão). Desse total, a maior parte fica com a Sorare e uma parcela é destinada ao clube, que não tem nenhum custo com a iniciativa.

“Por cláusula de confidencialidade, não falamos o percentual. O que podemos dizer é que é um percentual dentro da média de licenciamento de marca. Acaba dando uma quantia relevante, principalmente se considerarmos que era algo que o Atlético Mineiro tinha zero, era algo que não estava na mesa”, explicou Ribbe.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes