Investimentos alternativos: saiba o que é e como ir além da Renda Fixa

Investimentos não se resumem a ações de empresas e Renda Fixa. Os ativos alternativos são seguros, rentáveis e podem ser a saída em tempos de crise.

0 248

Crédito privado, ativos de infraestrutura, shopping centers, lajes corporativas, participação em startups, e direitos creditórios são alguns dos investimentos alternativos. Nesse sentido, alguns buscam fugir de investimentos muito disputados como bolsa de valores e Renda Fixa. Dessa maneira, acaba encontrando opções até mais rentáveis e seguras.

Por que investimentos alternativos?

Os investimentos tradicionais são as opções mais procuradas por conta da alta liquidez, negociação em mercados públicos, além de alta correlação com os principais indicadores econômicos. Enquanto isso, dificilmente alguma intervenção do investidor altera o retorno, ou seja, sua atuação é passiva.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Nesse sentido, é comum que a vasta maioria das ações listadas em bolsa enfrente altos e baixos de forma simultânea. Igualmente, o retorno das aplicações de Renda Fixa cai quando a taxa de juros da economia é reduzida. Dessa forma, torna-se necessária a diversificação em ativos alternativos, investimentos em mercados privados, ou menos públicos que os tradicionais.

O Mercado Bitcoin, exchange líder em volume e transparência em Bitcoin e criptoativos no Brasil, possui uma plataforma dedicada a investimentos alternativos lastreados em ativos reais. Clique aqui e conheça a MB Digital Assets.

O que são ativos alternativos?

Conforme mencionado acima, são alternativas de investimentos em mercados mais restritos, ligados diretamente à economia real. Dessa maneira, podem estar relacionados a uma empresa, seja através de capital social (equity) ou mercados de dívida. Similarmente, são considerados ativos os mercados agrícolas, imobiliários, e direitos creditórios.

Você provavelmente já ouviu falar em fundos de Venture Capital, ou de Private Equity (capital fechado). São empresas especializadas em realizar aportes em startups, as empresas estágio mais inicial, porém com alto potencial de crescimento. De tal forma, este mercado movimentou 136,5 bilhões de dólares em 2019 só nos Estados Unidos.

De maneira similar, são considerados ativos alternativos os investimentos diretos em infraestrutura, em pequenas e médias empresas de geração de energia, saneamento, e até mesmo concessões rodoviárias, portuárias e de aeroportos.

O que caracteriza os investimentos alternativos?

guarda-chuva amarelo aberto no meio de vários azuis

Primeiramente, nos investimentos alternativos há uma grande diferença na liquidez, ou seja, a frequência e volume de negociação. No entanto, existem ativos alternativos que tenham mercados estabelecidos, com negociação diária. De qualquer modo, não é comparável às bolsas de valores tradicionais, ou o volume de negociação das aplicações de Renda Fixa.

Em contrapartida, não há uma distinção entre ativos privados ou governamentais em investimentos alternativos. Nesse sentido, depende mais da frequência e volume de negociação, prazo de carência, e listagem em mercados tradicionais. Nesse sentido, uma característica fundamental dos ativos alternativos é a baixa correlação com os principais indicadores econômicos.

Frequentemente, a participação ativa do investidor interfere diretamente no retorno. Nesse sentido, há uma proximidade maior com o ativo alternativo. Ao contrário dos investimentos tradicionais, há uma dispersão grande de rentabilidade em ativos alternativos semelhantes. Dessa forma, a capacidade e potencial de cada empresa, de cada equipe, de cada projeto, é única, e muitas vezes difícil de ser copiada.

Existe uma classe de alternativos menos arriscados?

segurando celular na mao olhando gráfico de cotações

Em primeiro lugar, o investidor deve entender que ao contrário dos ativos tradicionais, não existe uma classe de ativos alternativos. Nesse sentido, cada oferta é um caso isolado que deve ser analisado com cautela, ao contrário de títulos de Renda Fixa oferecidos pelos grandes bancos e distribuidoras, por exemplo, que seguem padrões e normas mais estabelecidas.

Desta forma, um contrato de mútuo (instrumento de dívida), pode ser extremamente seguro e de baixo risco se for emitido por uma empresa regulada e bem administrada. No entanto, o mesmo contrato de mútuo pode ser extremamente arriscado se emitido por empresas em situação fiscal complicada, ou com pendências trabalhistas.

É possível investir pouco dinheiro?

Sim. No entanto, tradicionalmente os investimentos alternativos, especialmente os de maior retorno, eram distribuídos por empresas especializadas em private equity (capital fechado). Desta forma, somente clientes com alto poder aquisitivo, e fundos de investimento, tinham acesso às ofertas, que usualmente contam com aporte mínimo na casa de milhões.

Buscando democratizar este mercado, a MB Digital Assets, plataforma de criptoativos lastreados em ativos reais do Mercado Bitcoin, lançou os tokens de Precatório, e tokens de Consórcio. Dessa maneira, investidores com apenas R$ 100 têm acesso à recebíveis, aplicações com baixo risco e alto potencial de retorno, em forma de tokens.

Nesse sentido, a MB Digital Asset atua como intermediadora, dividindo este alto investimento, antes restrito à grandes clientes, em cotas menores. Deste modo, o investidor obtém seu retorno proporcional à sua fatia equivalente deste Precatório ou cota de consórcio.

Gostou da dica? No vídeo abaixo o pessoal do Mercado Bitcoin explica em mais detalhes o que são ativos alternativos.

 

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes