Oferta Pública Inicial: entenda por que as empresas abrem capital

Em 2020, IPOs na B3 movimentaram R$ 117 bilhões e neste ano já há muitos listados

Realizar uma oferta pública inicial permite arrecadar recursos para o crescimento ou pagamento de dívidas, entre outras coisas

Você deve ter ouvido na sigla IPO. Ela é referente à oferta pública inicial em português. Ou seja, quando uma empresa decide abrir capital e vender as ações em bolsa de valores. Mas como funciona? Quais as vantagens para empresas e investidores? Vamos explicar!

Primeiramente, saiba que os IPOs são muito comuns em todo o mundo, sendo que algumas empresas decidem realizá-los fora do Brasil. Por aqui, eles estão crescendo, mas ainda há muito espaço.

Uma oferta pública inicial pode ter dois formatos: primária e secundária. A primária é quando a empresa vende ações no mercado para arrecadar capital. A secundária é quando a empresa já tem ações e os próprios acionistas as vendem, embolsando o lucro.

 

Benefícios de uma oferta pública inicial para a empresa

 

Mas por que uma empresa realiza uma oferta pública inicial? De forma simples, o principal motivo é arrecadar recursos. Por exemplo, para realizar investimentos e crescer, comprar outras empresas ou pagar dívidas. Além disso, com ações no mercado, fica mais fácil para os sócios realizarem a venda de parte dos papéis e embolsarem os lucros quando quiserem. 

Outro motivo que leva as empresas a lançarem IPOs é se tornarem mais atrativas aos olhos do mercado, de outras empresas, de investidores e até de profissionais. Vale dizer que quando uma empresa realiza uma oferta pública inicial, ela deixa de ser “limitada” e se torna “anônima”, passando a ter que obedecer a uma série de regras de transparência.

Leia também

Ações americanas mais compradas pelos brasileiros no começo…

Quer ganhar dinheiro na Bolsa de Valores? Saiba o que…

Para investir em um IPO, é preciso ser cliente de uma corretora de valores ou de um banco. Assim que a empresa informa que lançará as ações no mercado, deve haver um prospecto do mesmo no site da B3 e é possível reservar a compra. Desse modo, como se tratam de empresas que até então não tinham ações à venda, é preciso pesquisar sobre as expectativas do mercado antes de investir. 

Mas como comprar ações sem saber qual será o preço? Funciona assim: no período de reserva de ações, os investidores sugerem um valor de compra e é necessário deixar uma parte da oferta como garantia. Com isso, há a definição do preço final do papel. Se a sua sugestão for menor que o preço final, aí você fica fora do IPO. Se for igual ou maior, você consegue comprar as ações. Muitos investidores tentam lucrar comprando na oferta inicial e vendendo na sequência se a perspectiva é de valorização.

- PUBLICIDADE -

 

IPO
Imagem: Reprodução/ Unsplash

IPOs em 2020 e 2021

 

Em 2020, a B3 registrou o maior número de IPOs desde 2007. Entre janeiro e dezembro, 28 empresas decidiram fazer sua oferta inicial pública. A movimentação foi de R$ 117 bilhões.

Para este ano, a expectativa é que continue aumentando o número de empresas que queiram abrir capital na B3. Do começo de janeiro até o final de fevereiro já são 14 na lista. Entre elas: CSN Mineração (18/02), Cruzeiro do Sul (11/02), Bemobi Mobile Tech (10/02) e Intelbras SA (04/02). Para ver a lista completa e atualizada, vale checar o site da B3. Até agora o valor movimentado chega a R$ 5,6 bilhões. 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes