Eleições 2020: pesquisa aponta Covas com 25%, contra 19,5% de Russomanno

Pesquisa realizada pelo Instituto Paraná Pesquisas revela que Covas e Russomanno estão praticamente empatados.

Eleições 2020 – Nesta terça-feira (3), o Instituto Paraná Pesquisas divulgou os resultados das intenções de votos para prefeito de São Paulo nas eleições 2020. Os dados revelam que Bruno Covas (PSDB) continua na liderança com 25,6%, seguido por Celso Russomanno do REPUBLICANOS (19,5%), Guilherme Boulos do PSOL (13,4%) e Márcio França do PSB (10%).

Em comparação a pesquisa da XP/Ipespe, realizada dias atrás, França foi único com um aumento nos percentuais (2%), enquanto os outros candidatos tiveram leves quedas. Se considerada a margem de erro de 3%, Covas e Russomano estão quase empatados.

Resultado da pesquisa dos candidatos a prefeito de SP

A pesquisa ouviu 1000 eleitores, de 16 anos ou mais, durante os dias 29 de outubro a 01 de novembro de 2020. Registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como SP-09440/2020, a amostra tem um grau de confiança em 95%, com margem de erro de três percentuais para mais ou menos. Veja os resultados abaixo:

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

  • Bruno Covas (PSDB) – 25,6%
  • Celso Russomanno (Republicanos) – 19,5%
  • Guilherme Boulos (PSol) – 13,4%
  • Márcio França (PSB) – 10%
  • Jilmar Tatto (PT) – 5%
  • Arthur do Val (Patriota) – 4,2%
  • Joice Hasselmann (PSL) – 2,4%
  • Andrea Matarazzo (PSD) – 2,1%
  • Levy Fidelix (PRTB) – 0,5%
  • Marina Helou (Rede) – 0,4%
  • Orlando Silva (PCdoB) – 0,3%
  • Antônio Carlos Silva (PCO) – 0,2%
  • Vera Lúcia (PSTU) – 0,1%
  • Branco/nulo – 10,1%
  • Não sabe/não respondeu – 6,2%

Russomanno tem a maior taxa de rejeição

A mesma pesquisa revelou os percentuais de rejeição de cada candidato a prefeito de São Paulo. Celso Russomano lidera com 40,1%, seguido de Covas com 24,1%, Boulos 23,6%, Joice Halssemann (PSL) 18,3% e Jilmar Tatto (PT) 17,2%. Os demais candidatos variam entre 13% a 11% de rejeição.

Nesta pesquisa, os eleitores entrevistados poderiam votar em mais de uma pessoa. O percentual de entrevistados que poderiam votar em todos os candidatos foi de 3,5%, os que não souberam ou não responderam, 15,5%.

Veja também: TSE investiga irregularidade em R$ 22 milhões doados para campanha.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes