Trump muda discurso e recomenda uso de máscara

Após meses sem tocar no assunto, o presidente dos EUA volta a se pronunciar sobre a crise de saúde que abala o país.

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump mudou seu discurso em relação à pandemia do novo coronavírus. Na última terça-feira (21), ele reconheceu que a situação ainda deve “piorar antes de melhorar” e recomendou o uso de máscaras quando não for possível fazer distanciamento social.

Desde que começou a pandemia, essa é a primeira vez que o mandatário reconhece o problema da disseminação do covid-19.

“Se você não puder fazer distanciamento social, use máscara. Gostando ou não, elas têm impacto, e vão fazer efeito — e precisamos fazer tudo o que pudermos”, disse Trump.

 

 

Porém, em seu primeiro pronunciamento sobre o vírus em muitos meses, Trump se mostrou mais comedido, ecoando as palavras de oficiais de saúde.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

As palavras de Trump sobre a pandemia

Ao falar sobre a pandemia, Trump demonstrou mais cautela. “Provavelmente, infelizmente, as coisas vão piorar antes de melhorarem. Não é o que eu gostaria de dizer, mas é como as coisas são.”

Além disso, ele afirmou que o uso de máscaras demonstra patriotismo Após pressão de seus assessores para que adote uma abordagem mais razoável diante a escalada do vírus no país, Trump vem mudando seu discurso sobre a pandemia. No dia 11 de julho, ele usou máscara pela primeira vez em público.

As atitudes de Trump sobre a pandemia

Trump parece mesmo não conseguir lidar de forma prática com a pandemia. O Presidente não estava usando máscara durante o pronunciamento e já se referiu a elas como anti-higiênicas.

Assim como alega que certas pessoas usariam a máscara apenas como forma de protesto político contra ele.

Ainda que isso pareça absurdo, esse está longe de ter sido o pior momento do governante. Anteriormente, Trump já sugeriu que o vírus fosse tratado com injeções de desinfetante.

 

Reeleição de Trump em meio à pandemia

 

Pesquisas de opinião apontam que a reeleição em Novembro não será fácil para Donald Trump e a pandemia está em seu caminho.

O candidato do partido Democrata, Joe Biden, acusa o presidente de ter administrado a crise do coronavírus de forma irresponsável e negligente. A volta dos pronunciamentos a respeito do vírus pode ser uma tentativa de rebater essa acusação.

Apesar disso, o número de casos segue subindo. Isso pode estar diretamente relacionado ao suporte de Trump ao fim das medidas de mitigação antes do alcance das metas de saúde pública.

Assim, conforme a opinião pública a respeito do governante se torna cada vez mais negativa diante das consequências da pandemia, suas chances de reeleição diminuem.

Pronunciamentos em busca de boa imagem

 

A Casa Branca parece, com esses pronunciamentos, buscar uma recuperação da imagem do Presidente. Assim, seria possível recuperar a confiança dos americanos na capacidade de liderança da nação de Donald Trump em meio à pandemia..

Porém, essas tentativas seguem sendo abaladas pelo próprio presidente ao afirmar, por exemplo, que a taxa de mortalidade por Covid-19 nos EUA é menor que “quase no mundo todo”.

A taxa de mortalidade por Covid-19 nos EUA está em décimo lugar no ranking dos 20 países mais fortemente atingidos.

Os EUA já registraram 3.9 milhões casos de Covid-19 e 141.000 mortes – o número mais alto no mundo. É difícil confiar em um presidente que passa informações reconhecidamente falsas. Mas os escândalos de Trump quanto à pandemia não os piores em que está envolvido.

Conexões com escândalos

 

Recentemente, o presidente foi perguntado sobre Ghislaine Maxwell, socialite envolvida no caso de abuso de menores protagonizado pelo ex-namorado, o condenado Jeffrey Epstein.

Trump respondeu que não estava acompanhando, mas que desejava tudo de bom a ela, pois a encontrou muitas vezes quando residia em Palm Beach.

Entre discursos incoerentes com suas atitudes e falta de empatia com vítimas de abuso, Trump demonstra que dará muito trabalho à equipe responsável por sua reeleição.

Todas as informações disponíveis em matéria da BBC News.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes