Mesmo após ser vacinado, enfermeiro testa positivo para covid-19

Enfermeiro testa positivo para covid-19 mesmo após ser vacinado. Assim, este é um lembrete de que a lavagem das mãos, o distanciamento social e as máscaras ainda serão cruciais em 2021.

Matthew W, um enfermeiro de 45 anos de San Diego nos EUA, recebeu a vacina da Pfizer em 18 de dezembro. 

De acordo com sua entrevista à KGTV, o único efeito colateral que sentiu após a vacina foi uma leve dor no braço.

Seis dias depois, após trabalhar um turno na unidade covid-19, Matthew teve calafrios, dores musculares e fadiga. Dessa forma, ele fez um teste rápido no hospital que confirmou que ele era positivo para coronavírus.

 

- PUBLICIDADE -

Imagem: Reprodução / Pexels

Enfermeiro testa positivo para covid-19

De acordo com o Dr. Christian Ramers, especialista em doenças infecciosas dos Centros de Saúde da Família de San Diego, este cenário não é inesperado.

Segundo o médico, os pacientes não desenvolvem proteção contra a covid-19 imediatamente após receberem a vacina.

“Nós sabemos, a partir dos testes clínicos da vacina, que vai demorar cerca de 10 a 14 dias para você começar a desenvolver a proteção no seu organismo”, disse Ramers.

Assim, mesmo após esses 14 dias, os pacientes ainda precisam de uma segunda dose da vacina para proteção total. “Acreditamos que a primeira dose lhe dá algo em torno de 50%, e você precisa da segunda dose para chegar a 95%”, acrescentou Ramers.

Além disso, há outra possibilidade, pois como o período de incubação do coronavírus pode ser de até 14 dias, também é possível que Matthew tenha sido infectado antes de receber a vacina em 18 de dezembro.

Ambos os cenários potenciais são um lembrete de que as vacinas não são uma panaceia. Em vez disso, dizem os especialistas, deter a pandemia levará tempo e a adesão contínua às práticas fundamentais de saúde pública, como distanciamento social, máscaras e lavagem das mãos.

“Você ouve os profissionais de saúde sendo muito otimistas sobre isso ser o começo do fim. Mas será um processo lento, de semanas a meses enquanto lançamos a vacina”, disse Ramers.

Coronavíruscovid-19Vacina contra Covid-19