Governo libera R$ 20 bilhões para vacinação contra Covid-19

Medida Provisória foi assinada hoje; recursos repassados pelo governo Bolsonaro serão usados para a compra de imunizantes, inclusive a Coronavac.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou na manhã desta quinta-feira (17) a medida provisória que libera crédito de R$ 20 bilhões para a vacinação contra a Covid-19 no Brasil.

Vacinação contra Covid-19

Os recursos devem ser usados para comprar imunizantes para além do contrato já feito com a AstraZeneca, na parceria com a Fundação Osvaldo Cruz. Entre eles, os medicamentos da Pfizer, com quem o governo negocia a aquisição de 70 milhões de doses.

A MP, anunciada pelo governo na semana passada, foi assinada durante a cerimônia de posse de Gilson Machado como novo ministro do Turismo

Bolsonaro e Coronavac

Após desentendimentos com o governo do Estado de São Paulo, o governo resolveu, através do Ministério da Saúde, negociar com o Instituto Butantan para a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac.

O imunizante contra o coronavírus, que é desenvolvido pelo Butantan em parceria com o laboratório Sinovac, da China, já motivou atritos públicos entre o presidente e o governador de SP, João Doria (PSDB).

Segundo informações da colunista do UOL, Carla Araújo, ainda nessa semana deve ser assinado um memorando de intenções, documento desejado por Dória, para a compra das doses.

Auxiliares do governo Bolsonaro confirmam a decisão e a reafirmam que todas as vacinas que tiverem memorando de intenção, “depois de registradas”, serão compradas pelo governo.

Foi nesta semana também que o governo federal divulgou nova versão do Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19 e onde incluiu todas as vacinas, inclusive a Coronavac.

Segundo a nova versão do Plano Nacional de Imunização, grupos de maior risco e de maior exposição estariam vacinados ainda no primeiro semestre de 2021.  Brasileiros estão ansiosos com a vacinação. Vale ressaltar que, com o repique da Covid-19 no país, a doença computou mais de 181 mil mortes.

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.