Hong Kong relata primeiro caso de reinfecção do coronavírus

Cientistas de Hong Kong estão relatando o caso de um homem saudável na casa dos 30 anos que foi infectado novamente com o coronavírus quatro meses e meio após sua primeira contaminação.

0 68

O primeiro caso de reinfecção do coronavírus foi comprovado pelos pesquisadores em Hong Kong nesta última segunda-feira (24). Porém, os especialistas dizem que ainda é muito cedo para tirar conclusões sobre o resto da pandemia.

De acordo com o Departamento de Microbiologia da Universidade de Hong Kong (HKU), “este caso mostra que a reinfecção pode ocorrer apenas alguns meses após a recuperação de uma primeira infecção”. Apenas quatro meses e meio separaram a primeira infecção da segunda no caso analisado.

Segundo os pesquisadores, uma análise genética mostrou que essas duas infecções sucessivas de um mesmo paciente são de duas linhagens diferentes do vírus SARS-CoV-2, responsável pelo covid-19. 

“Nossos resultados sugerem que o SARS-CoV-2 pode persistir na população, como é o caso de outros coronavírus responsáveis ​​por resfriados comuns, mesmo que os pacientes tenham adquirido imunidade”, afirmaram os pesquisadores do HKU.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

reinfecção do coronavírus
Imagem: Reprodução / fernando zhiminaicela

Primeiro caso de reinfecção do coronavírus

O paciente que recebeu a confirmação do primeiro caso de reinfecção do coronavírus é um homem de 33 anos que mora em Hong Kong. 

Ele apresentou o teste positivo pela primeira vez em 26 de março após apresentar sintomas (tosse, dor de cabeça e de garganta, febre). Uma vez curado, seus exames foram negativos duas vezes.

Porém, em 15 de agosto, ele testou positivo novamente. 

Contudo, é importante ressaltar que desta vez ele não apresentou sintomas. A doença só foi descoberta por meio de um teste de rastreamento no aeroporto de Hong Kong, quando ele voltava da Espanha via Reino Unido.

 

Imunidade coletiva pode não funcionar

De acordo com os pesquisadores, “é improvável que a imunidade coletiva possa eliminar a SARS-CoV-2″. Contudo, eles acrescentam que as seguintes infecções podem ser menos graves que a primeira, como foi o caso desse paciente.

Nos últimos meses, vários casos de possível reinfecção receberam menções em todo o mundo, mas não haviam certezas. A questão da imunidade da Covid-19 ainda tem muitas incógnitas.

No entanto, os especialistas alertam contra conclusões precipitadas. “É difícil tirar conclusões firmes de um único caso. Considerando o número de infecções em todo o mundo, ver um caso de reinfecção não é tão surpreendente ”, comentou o Dr. Jeffrey Barrett do Instituto Wellcome Sanger.

Informar Erro
Fonte Le Monde

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes