Rússia pretende lançar segunda vacina contra covid-19 até 15 de outubro

A EpiVacCorona, do Instituto Vector, na Sibéria, começa a fase de testes em voluntários com mais de 60 anos e pessoas com doenças crônicas.

Rússia quer lançar segunda vacina contra covid-19 até 15 de outubro, depois da Sputnik-V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, em Moscou, registrada em agosto.

A EpiVacCorona, do Instituto Vector, na Sibéria, concluiu o estágio de testes em humanos na última semana (18 de setembro) e agora caminha para os teses voluntários em pessoas com mais de 60 anos e portadores de doenças crônicas.

Essa notícia foi divulgada ontem (22 de setembro) pela agência de notícias russa Tess e o prazo é do Serviço Federal de Vigilância em Defesa dos Direitos do Consumidor e Bem-estar Humano russo.

O provável lançamento da segunda vacina contra covid-19 é possível porque o Ministério da Saúde da Rússia havia concedido no dia 24 de julho uma licença ao Instituto Vector para realizar testes voluntários.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Segunda vacina contra covid-19: primeira versão foi registrada em agosto

A vacina Sputnik V, do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, está na fase três de testes.

Ademais, ela passou por um estudo preliminar na revista científica “The Lancet”, que atestou a sua segurança. De acordo com a publicação, ela produziu uma resposta imune e não provocou efeitos adversos nos voluntários.

Apesar do anúncio da Organização Mundial da Saúde, que disse não espera uma vacinação em massa até o segundo semestre de 2021, a Sputnik V promete rodar o mundo. Um dos países que já fechou contrato com a fabricante, por exemplo, foi a Índia.

A fase três, segundo o Kirill Dmitriev, diretor do Fundo Russo de Investimentos Diretos, envolve testes na Índia e no Brasil. E também, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Filipinas. Em seguida, a partir de outubro ou novembro de 2020, publicam-se os resultados.

 

Kirill Dmitriev
Kirill Dmitriev. Imagem: Reprodução / Reuters via Forbes

 

Além da segunda vacina contra covid-19 até 15 de outubro, a primeira tem chances de realizar testes no Brasil

Por fim, os governos brasileiros da Bahia e do Paraná estão com acordos em andamento para a aquisição da Sputnik V. É possível que ela chegue aqui antes da segunda vacina contra covid-19.

Em território brasileiro, a Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico (Bahiafarma) pretende comercializar a vacina Sputnik V.

Ademais, a empresa que desenvolveu a primeira vacina russa dividirá os riscos legais dos resultados do medicamento. Prática, que é, aliás,  pouco realizada na área. Nos Estados Unidos, por exemplo, a responsabilidade legal ficará a custo do governo, já que a campanha é para beneficiar a sociedade.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes