Vacina Russa contra Covid: tudo sobre a primeira vacina do mundo

Rússia registra a primeira vacina do mundo nessa quarta-feira e avança para produção em massa em setembro enquanto a comunidade científica suspeita de quebra de protocolos de segurança para acelerar sua aprovação.

Uma vacina russa contra covid foi anunciada pelo Kremlin recentemente e na próxima quarta-feira (12) será oficialmente registrada.

De acordo com Mijail Murashkov, Ministro da Saúde, muito em breve a Rússia começará a produção em massa de doses. “A primeira vacina contra o coronavírus, desenvolvida pelo Instituto Gamaleia, completou seus ensaios clínicos e agora estão sendo preparados os documentos para o procedimento de registro”

O ministro ainda disse que essa não seria a única vacina em testes no país, apenas a que está mais perto de ser produzida.

 

Como funciona a vacina russa contra covid?

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A vacina russa utiliza a tecnologia chamada Vetores Virais Recombinantes (VVR) e é baseada em duas cepas de adenovírus. Elas foram geneticamente modificadas para fazer com que as células infectadas desenvolvam resposta imune ao coronavírus.

Segundo oficiais russos, o mecanismo foi criado com base em uma outra vacina russa, desenvolvida para combater o Ebola anos atrás.

 

O que sabemos sobre os testes

 

De acordo com a imprensa local, a primeira fase de testes da vacina russa contra covid realizada no hospital militar Burdenko foi um grande sucesso, com todos os 38 voluntários participantes desenvolvendo resposta imunológica.

Apenas o fato de esses testes terem sido realizados em um hospital militar com soldados já criou polêmica entre a comunidade científica, que questionou o consentimento dos voluntários.

O vice-ministro de Defesa, Ruslan Tsalikov, informou que todos os voluntários se sentiam bem no momento da alta e que, logo, a vacina está pronta.

Uma rodada de ensaios clínicos com 1,6 mil pessoas deverá ser realizada em agosto, após o registro da vacina russa, segundo a vice-primeira-ministra, Tatiana Golikova.

 

Temores quanto à vacina russa

 

Apesar da torcida mundial por uma vacina contra o Coronavírus, muitas inseguranças e receios cercam a produção da vacina russa contra covid. Isso porque existe a suspeita de que alguns protocolos de segurança teriam sido desrespeitados.

 

Vacinação em massa pode ser prematura

 

Acima de tudo, o problema é a massificação da vacina. Muitos países estão neste momento desenvolvendo vacinas e fazendo testes. Porém, apenas a Rússia pretende partir tão cedo para a vacinação em massa.

A vacina, que está sendo desenvolvida pelo laboratório de pesquisa em epidemiologia e microbiologia Nikolai Gamaleia em parceria com o Ministério da Defesa começará a ser produzida industrialmente por três empresas biomédicas a partir de setembro.

Segundo o Ministro do Comércio da Rússia, Denis Maturov, centenas de milhares de doses da vacina serão produzidas a cada mês a partir deste ano. Após, no ano que vem, serão milhões.

A vacinação deverá começar em outubro e será gratuita, começando por grupos específicos da população que estão mais expostos. Logo, médicos, professores e trabalhadores que estão em constante contato com grandes grupos serão vacinados primeiro.

vacina russa contra covid 2
Imagem: Reprodução / Unsplash

Rapidez do registro da vacina russa contra covid pode ter relação com quebra de protocolos de segurança

 

No entanto, o professor e chefe de laboratório do instituto de pesquisa Metchnikov, Dr. Vitavi Zverev, alertou em entrevista para a impossibilidade do desenvolvimento de uma vacina segura nesse intervalo.

“É impossível garantir a segurança de uma vacina durante um período de tempo como este que nos separa do início da pandemia” disse o professor.

Além disso, Zverev questionou a capacidade das empresas às quais a produção da vacina russa contra covid foi entregue de lidarem com aquele tipo de tecnologia.

Fato é que os cientistas do Instituto Gamaleia não publicaram nenhum estudo de testes realizados com sua vacina. Além disso, em determinado momento romperam protocolos básicos de segurança e testaram a vacina em seus próprios corpos.

Assim, existe a suspeita de que o Kremlin estaria colocando seu desejo de restabelecer o país como uma potência científica à frente da segurança da população.

 

As preocupações da Organização Mundial de Saúde

 

Quando questionado a respeito, o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier disse: “Qualquer vacina e qualquer medicamento para esse fim deve, é claro, ser submetido a todos os diferentes ensaios e testes antes de ser homologado”

Lindmeier reforçou que existem linhas, diretrizes e regulamentos a serem seguidos para que o desenvolvimento da vacina seja feito de maneira segura e eficaz. Ele apontou que entre a possibilidade de desenvolver uma vacina e ter passado por todas essas etapas há uma grande diferença.

A OMS demonstra preocupação não apenas com a eficácia da vacina, mas também com seus possíveis efeitos colaterais. Dessa forma, a Organização alerta os pesquisadores para a análise dos efeitos colaterais negativos e se esses efeitos não são maiores do que os benefícios da vacina.

No momento, a OMS reconhece 26 candidatas a vacina em fase de ensaios clínicos em seres humanos e 139 em avaliação pré-clínica.

 

Vacina russa contra covid no Brasil

 

O Diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas informou a imprensa de que a instituição foi procurada pela estatal russa responsável pelo desenvolvimento da vacina.

“Em um primeiro momento, dissemos: até podemos avaliar porque é uma tecnologia diferente, precisamos de mais dados técnicos para avaliar e dados sobre os estudos feitos. Enfim, conhecer melhor. Ainda não recebemos o retorno” disse o diretor.

Covas observou que a vacina não está em fase final de desenvolvimento, referenciando a listagem da OMS. Ainda assim, o diretor não descarta uma parceria futura.

O Instituto Butantan já coopera com o laboratório chinês Sinovac na terceira fase da produção da Coronavac, a vacina chinesa.

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes