Empresas contratam mais temporários na pandemia; entenda o porquê

Devido a pandemia de COVID-19, empresas contratam mais temporários do que funcionários fixos. O crescimento de vagas disparou 35%

Com o avanço do coronavírus, o número de vagas temporárias disparou no Brasil em 2020. Seguindo especialistas, empresas contratam mais temporários na pandemia por optar por um vínculo“seguro”, a fim de se proteger de uma possível piora no cenário econômico, que foi bastante prejudicado com a crise do coronavírus.

 

Em meio a insegurança econômica e a ameaça de novos fechamentos no comércio, empresários relatam dificuldade em planejar expectativas a longo prazo. Desta forma, as contratações temporárias nos setores de comércio e indústria impulsionaram um crescimento de 35% no último ano.

 

Apesar da alta taxa de desemprego, que chegou a 14,6% em  2020, o ano teve pouco mais de 2 milhões de contratações temporárias, aumento de 34,8% em relação ao mesmo período em 2019, quanto o Brasil registrou quase 1,5 milhão de vagas, de acordo com informações da Asserttem (Associação Brasileira do Trabalho Temporário).

 

Diferenças entre o contrato temporário e contrato fixo

 

A contratação temporária tem praticamente os mesmos direitos do trabalho efetivo, embora em caso de demissão, o funcionário não tem direito ao aviso prévio ou multa de 40% sobre o valor do FGTS em casos sem justa causa.

 

O contrato de serviço temporário pode ser firmado por até seis meses, com possibilidade de prorrogação por mais três meses. O contrato é feito através de uma agência destinada a atender necessidades pontuais, como a substituição de um trabalhador fixo ou quando há aumento de demanda, por exemplo.

 

Leia também

Poupança financeira de crédito de carbono é possível?

Compras por impulso: como reconhecer sinais e buscar ajuda

O presidente da Asserttem, Marcos Abreu, explica que 2020 começou com um bom número de vagas, além de um aquecimento econômico proporcionado pela alta temporada do verão e safra agrícola. Entre março e abril, no entanto, todos os temporários começaram a ser cortados devido ao avanço da pandemia de coronavírus. A situação só apresentou melhora a partir de maio, mas a alta significativa só se tornou evidente a partir do segundo semestre.

 

Marcos Abreu comenta que o aumento no segundo semestre foi puxado pela indústria, que se viu diante de uma demanda inesperada em setores de tecnologia, eletrodomésticos e alimentos, já que as pessoas estavam passando mais tempo em casa.

 

- PUBLICIDADE -

Áreas impulsionadas pela pandemia contrataram mais temporários em 2020

 

Essa alta também foi registrada na área da saúde e medicamentos pela alta demanda gerada pela pandemia. A farmacêutica Blau, por exemplo, que tem cerca de 1.390 funcionários fixos, contratou 79 temporários em 2020. Cerca de 29 deles foram efetivados.

 

Setores online também expressaram crescimento significativo durante a pandemia, o que gerou a necessidade de contratações nas áreas de e-commerce, entregas, alimentos, produtos de higiene e tecnologia, devido a popularização do home office.

 

2020 também mudou prazo médio de serviço temporário na indústria. Em anos normais, a contratação varia em torno de três meses de trabalho, tendo maior volume entre agosto e outubro e queda em novembro e dezembro. Nos últimos dois meses do ano, é comum que o comércio tenha maior volume de vendas e contratação de temporários para lojas e shoppings. Em 2020, isso mudou.

 

Segundo Marcos Abreu, a indústria permaneceu lotada, inclusive no período de festas em que a contratação no comércio seria maior. Não houve redução no quadro de temporários destes setores. Diante da incerteza se a alta demanda por produtos iria continuar, diversas empresas optaram por prorrogar contratos. O presidente da Asserttem também acredita que 2021 deve, novamente, um bom ano para contratação de temporários.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes