TikTok e WeChat deixam de ser proibidos nos Estados Unidos

Depois de Donald Trump tentar banir os apps chineses TikTok e WeChat nos Estados Unidos, o atual presidente norte-americano, Joe Biden, extinguiu, nesta quarta-feira, 9, os decretos que proibiram o uso e liberou o funcionamento das duas plataformas.  A Casa Branca não só confirmou a informação como acrescentou que o governo está solicitando uma nova revisão do Departamento de Comércio sobre questões de segurança de apps.

Vale lembrar que os decretos elaborados por Donald Trump nunca foram realmente efetivados nos Estados Unidos, porque a discussão sobre o TikTok e Wechat foi parar na Justiça. Mas não houve tempo hábil para que o banimento fosse julgado, já que Trump perdeu a eleição e a discussão esfriou

TikTok e WeChat de volta aos Estados Unidos

Agora, com Biden colocando um ponto final nessa proibição de uso, os tribunais bloquearam os decretos.  Apesar da liberação, o TikTok não está livre de problemas por lá. A Casa Branca também confirmou que uma análise sobre riscos à segurança nacional continuam em andamento nos Estados Unidos, sem prazo para acabar.

Enquanto enfrenta problemas nos Estados Unidos, o TikTok busca meios de se expandir no Brasil. Com o crescimento da competição com YouTube e Instagram, a plataforma está focada em criadores de conteúdo. Recentemente, lançou o TikTok for Business. O objetivo da empresa, que ganhou força no mercado com a rede social de vídeos curtos e muito editados, é estreitar relações com o mercado publicitário brasileiro, fortalecendo presença de marcas na plataforma.

A ideia é fazer um pouco o que a Shopee e o Guaraná Antártica já vinham fazendo de alguma forma na plataforma, produzindo vídeos de acordo com a dinâmica da rede social e até mesmo criando trends,  aqueles vídeos que seguem um mesmo modelo, estrutura ou áudio, como se cada pessoa estivesse contribuindo em uma corrente.

Atualmente, em seis meses de testes, a empresa conquistou grandes nomes do mercado — além dos já citados, empresas como Netflix e Magazine Luiza também participam da plataforma. No entanto, agora o TikTok deve ampliar este portfólio, já que terá uma equipe de criação voltada para a inserção dessas empresas na rede social.

Donald TrumpJoe BidenTikTok
Comentários (0)
Comentar