De olho no mercado brasileiro da cannabis medicinal

O mercado medicinal da cannabis no Brasil (estimado em mais de R$ 4,7 bilhões ao ano) está na mira da indústria farmacêutica global.

O mercado medicinal da cannabis no Brasil (estimado em mais de R$ 4,7 bilhões ao ano)está na mira da indústria farmacêutica global. Os dados de um estudo econômico recente sobre a cannabis produzido pela Green Hub em parceria com a New Frontier Data, serão analisados pelo presidente da Knox Medical, Mario Grieco, durante o 39º Congresso Internacional da Propriedade Intelectual da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI), de 25 a 27 de agosto próximos, no Rio de Janeiro. Segundo ele, há mais seis mil estudos em andamento nos laboratórios, que superam US$ 1 bilhão ao ano, sobre a utilização da cannabis.

Esse cálculo leva em conta o emprego da cannabis no tratamento de doenças como câncer, Parkinson, Alzheimer, transtornos psiquiátricos, doenças autoimunes e dores graves. “A falta de regulamentação e a proibição de cultivo local da cannabis inibem a pesquisa e o desenvolvimento de medicamentos inovadores à base da erva no Brasil”, diz Grieco. Apesar da falta de regulamentação, cerca de quinze mil pessoas no Brasil já utilizam produtos à base de cannabis medicinal. Uma parte dos usuários recorre à importação, permitida desde 2015, e outra , ao auto cultivo.

CannabisProibição inibe pesquisa sobre cannabis

Segundo o presidente da Knox Medical, além dos benefícios econômicos, a produção local poderia fazer com que mais de dois milhões de pacientes pudessem utilizar a erva no tratamento de várias doenças. “Temos um mercado reprimido de potenciais usuários, mas que irá se ampliar à medida que os estudos para novas indicações da cannabis medicinal estiverem concluídos”, analisa. Para o presidente da ABPI, Luiz Edgard Montaury Pimenta, as questões burocráticas no Brasil têm dificultado o ritmo de inovação por empresas no mercado nacional.

Recuperação da economia

“A recuperação da economia do País está fortemente ligada a investimentos em inovação”, diz Pimenta. Sob o tema “A propriedade intelectual no novo contexto geopolítico mundial”, o Congresso, o maior do gênero na América Latina, deverá receber cerca de 1.000 participantes, entre especialistas, magistrados, consultores, advogados, autoridades de governo e dirigentes de entidades internacionais (como a CTA) órgão de proteção da propriedade intelectual da China e a AIPPI (Associação Internacional de Propriedade Intelectual), além de centros privados de pesquisa.

Mulheres na inovação

As mulheres, que hoje representam 49% do número de pesquisadores no Brasil, também ocupam espaço como CEOs em grandes empresas 2013 IBM, Microsoft, SAP e GE. Apesar dos dados positivos, mesmo quando as mulheres têm um melhor nível de acesso à educação, os homens têm índices maiores de empregabilidade e recebem salários mais altos. O assunto será tema de debate no 8º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, em São Paulo, 10 e 11 deste mês, promovido pela Confederação Nacional da Indústria. Pela primeira vez, o evento terá painel só com mulheres.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes