Ataque cibernético nos EUA: Departamento que gerencia armas nucleares é hackeado

O departamento de energia dos EUA é a última agência a confirmar que também foi uma das vítimas do que está sendo descrito como o pior hack de todos os tempos no governo dos EUA.

O ataque cibernético nos EUA atingiu diversos departamentos governamentais de extrema importância.

O departamento de energia é a última agência a confirmar que também foi uma das vítimas do que está sendo descrito como o pior hack de todos os tempos no governo dos EUA.

O departamento é responsável pelo gerenciamento das armas nucleares. Contudo, eles disseram que a segurança do arsenal não foi comprometida.

Além disso, a Microsoft também disse na quinta-feira (17) que encontrou software malicioso em seus sistemas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Muitos suspeitam que o governo russo é o responsável.  Porém, ele negaram.

Os departamentos de tesouro e comércio do país estão entre os outros alvos da violação, que foi reconhecida pela primeira vez pelas autoridades no domingo.

 

Ataque cibernético nos EUA
Imagem: Reprodução / Pexels

Ataque cibernético nos EUA

O presidente Donald Trump ainda não comentou os ataques cibernéticos.

Contudo, o presidente eleito, Joe Biden, prometeu fazer da segurança cibernética uma “prioridade máxima” de seu governo.

De acordo com Biden, “precisamos interromper e impedir nossos adversários de realizarem ataques cibernéticos significativos em primeiro lugar”.

Assim, “faremos isso, entre outras coisas. Bem como vamos impor custos substanciais aos responsáveis ​​por tais ataques maliciosos, inclusive em coordenação com nossos aliados e parceiros”.

A principal agência cibernética da América, a Cybersecurity and Infrastructure Agency (Cisa), lançou um alerta severo na quinta-feira (17). De acordo com eles, lidar com a intrusão seria “altamente complexo e desafiador”.

O relatório disse que “infraestrutura crítica” foi danificada. Bem como agências federais e empresas do setor privado comprometidas e que os danos representam uma “grave ameaça”.

 

Hack nos EUA

O hack começou pelo menos em março de 2020, e os responsáveis ​​”demonstraram paciência, segurança operacional e habilidade complexa”, disse a Cisa.

Contudo, a agência não identificou quais informações foram expostas.

Ao comentar o ataque ao departamento de energia, a porta-voz Shaylyn Hynes confirmou que estava respondendo a uma violação cibernética. 

Ela disse que as funções de segurança da Administração de Segurança Nuclear Nacional (NNSA), que supervisiona as armas nucleares dos EUA, não sofreu ataques.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes