Coronavírus está matando cerca de 50 mil pessoas por semana, afirma OMS

Funcionários da OMS disseram que estão começando a ver “tendências preocupantes” no número de casos de covid-19, admissões em UTI e hospitalizações no hemisfério norte.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou que o coronavírus está matando cerca de 50 mil pessoas por semana. Assim, o vírus “não está indo embora”, como alguns podem acreditar.

“Não é onde queremos estar”, disse o Dr. Mike Ryan, diretor executivo do programa de emergências de saúde da OMS, sobre as mortes de covid-19 durante uma entrevista coletiva na sede da agência em Genebra.

Bem como acrescentou, “não é para onde o hemisfério norte deseja entrar no inverno. Não é onde os países em desenvolvimento querem estar com seus serviços de saúde sob nove meses de pressão”.

Ryan disse que o vírus ainda tem um “longo caminho para queimar”. De acordo com os funcionários da OMS,  há “tendências preocupantes” no número de casos de covid-19

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

As admissões em UTI e hospitalizações no hemisfério norte preocupam à medida que entram nas estações mais frias.

“Não queimou, não está queimando, não está indo embora”, disse Ryan, “e especialmente para aqueles países que estão entrando em sua temporada de inverno em termos de pessoas se reunindo mais em ambientes fechados”. 

“Há muito trabalho a ser feito para evitar eventos de amplificação e diminuir a transmissão desta epidemia. Assim como proteger a abertura de escolas e os mais vulneráveis ​​em nossa sociedade”, acrescentou.

 

Coronavírus está matando
Imagem: Reprodução / Robert Norton

Coronavírus está matando cerca de 50 mil pessoas por semana

As autoridades de saúde europeias  alertaram por semanas  sobre um número crescente de casos de coronavírus.

Mais da metade dos países europeus relataram um aumento de 10% ou mais nos casos nas últimas duas semanas.

De acordo com a  Dra. Maria Van Kerkhove, líder técnica da OMS na pandemia, “O que é realmente importante agora é que os países respondam a esse problema, dividindo a resposta. Priorizem as vidas e dividam o surto no nível administrativo mais baixo possível, conforme os dados permitirem”. 

“Não se trata apenas de números de casos. Eles são extremamente importantes e precisamos ser capazes de rastrear essas tendências. Mas também precisamos olhar para as hospitalizações e quantas pessoas estão sendo admitidas na terapia intensiva”, disse ela.

Fonte CNBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes