Pandemia pode acabar em dois anos, diz chefe da OMS

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que espera que a pandemia do coronavírus termine em menos de dois anos.

A pandemia pode acabar em dois anos, segundo o chefe da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesu.

Na última sexta-feira (21), ele deu uma entrevista em Genebra e relembrou que a gripe espanhola de 1918 levou dois anos para acabar. Porém, ele  acrescentou que os atuais avanços na tecnologia podem permitir ao mundo deter o vírus “em menos tempo”.

 

Pandemia pode acabar em dois anos

Contudo, Tedros argumentou que “com mais conectividade, o vírus tem uma chance melhor de se espalhar”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Mas, ao mesmo tempo, temos também a tecnologia e conhecimento para detê-lo ”, argumentou Tedros. Assim, a pandemia pode acabar mais cedo do que o esperado.

A gripe mortal de 1918 matou pelo menos 50 milhões de pessoas. O coronavírus já matou quase 800.000 pessoas e infectou mais 22,7 milhões.

 

pandemia pode acabar
Imagem: Reprodução / Engin Akyurt

Roubo de equipamentos

O Dr. Tedros também respondeu a uma pergunta sobre corrupção relacionada a equipamentos de proteção individual (EPI) durante a pandemia, que ele descreveu como “criminosa”.

De acordo com Tedros, “Qualquer tipo de corrupção é inaceitável. Porém, corrupção relacionada ao EPI para mim é na verdade assassinato. Porque se os trabalhadores da saúde trabalharem sem EPI, estaremos arriscando suas vidas. E isso também põe em risco a vida das pessoas a quem servem”.

Embora a questão esteja relacionada a alegações de corrupção na África do Sul, vários países enfrentaram problemas semelhantes.

 

Segunda onda de coronavírus pelo mundo

Na sexta-feira, vários países anunciaram o maior número de novos casos em meses.  A Coréia do Sul registrou 324 novos casos – o maior número em um único dia desde março.

Assim como aconteceu com o surto anterior, as novas infecções foram associadas a aberturas de igrejas, museus, discotecas e bares de karaokê . Atualmente, esses lugares estão fechados na capital Seul.

Além disso, vários países europeus também estão vendo aumentos no números de casos. A Polônia e a Eslováquia anunciaram o recorde de novas infecções diárias na sexta-feira, com 903 e 123 casos, respectivamente. Assim também a Espanha e a França viram aumentos de casos nos últimos dias.

No Líbano, um bloqueio parcial de duas semanas – incluindo um toque de recolher noturno – entrou em vigor quando o país teve o maior número de casos desde o início da pandemia.

As infecções  no Líbano dobraram desde que uma explosão na capital, Beirute, matou pelo menos 178 pessoas em 4 de agosto.

Informar Erro
Fonte BBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes