Trump escolhe a juíza conservadora Amy Coney Barrett para a Suprema Corte

Trump nomeou a juíza conversadora Amy Coney Barrett para a Suprema Corte Americana. Juíza é contra o aborto e a favor da expansão de vendas de armas. Senado ainda pode barrar nomeação.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nomeou a juíza conservadora Amy Coney Barrett para ser a nova juíza da Suprema Corte.

Falando ao lado dela no White House Rose Garden, Trump a descreveu como uma “mulher de realizações incomparáveis”.

Assim, se confirmado pelos senadores, Barrett substituirá a juíza liberal Ruth Bader Ginsburg, que morreu recentemente, aos 87 anos.

Mas, a nomeação vai desencadear uma dura disputa de confirmação no Senado à medida que a eleição presidencial de novembro se aproxima.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Anunciando a juíza Barrett no sábado (26), o presidente Trump a descreveu como uma “acadêmica e juíza estelar” com “lealdade inflexível à constituição”.

Contudo, o candidato democrata à presidência, Joe Biden, pediu ao Senado que “não tome medidas sobre esta vaga até que o povo americano selecione seu próximo presidente e o próximo Congresso”.

“A Constituição dos EUA foi projetada para dar aos eleitores uma chance de ter sua voz ouvida sobre quem faz parte do Tribunal. Esse momento é agora e devemos ouvir a sua voz”, disse ele.

Se Barrett receber a confirmação do Senado, os juízes de tendência conservadora terão uma maioria de 6-3 na Suprema Corte em um futuro próximo.

A juíza de 48 anos seria a terceira juíza nomeada pelo atual presidente republicano, depois de Neil Gorsuch em 2017 e Brett Kavanaugh em 2018.

Os nove juízes do tribunal têm cargos vitalícios e suas decisões podem moldar políticas públicas em tudo, desde armas e direitos de voto até aborto e financiamento de campanhas por décadas.

 

juíza conservadora Amy Coney Barrett
Imagem: Reprodução / AP

Quem é a juíza conservadora Amy Coney Barret?

Depois de se formar na Faculdade de Direito da Universidade Notre Dame em Indiana, a juíza conservadora Amy Coney Barrett trabalhou para o falecido juiz Antonin Scalia. Em 2017, ela recebeu a indicação de Trump para o Tribunal de Apelações do 7º Circuito de Chicago.

Barret é descrita como uma católica devota que, de acordo com um artigo de revista de 2013, disse que “a vida começa na concepção”. Dessa forma, ela se torna a favorita entre os conservadores religiosos ansiosos para derrubar a decisão da Suprema Corte de 1973 que legalizou o aborto em todo o país.

Grupos LGBT criticaram sua filiação a um grupo católico conservador cuja rede de escolas tem diretrizes que afirmam que as relações sexuais só devem acontecer entre casais heterossexuais.

Além disso, a juíza conservadora Barret decidiu a favor das políticas de imigração de linha dura do presidente Trump. Bem como expressou opiniões a favor dos direitos de compras de armas.

Informar Erro
Fonte BBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes