Presidente interino do Peru renuncia após protestos mortais

O presidente interino do Peru, Manuel Merino, renunciou um dia depois que duas pessoas morreram durante protestos contra seu governo.

O presidente interino do Peru renunciou, um dia depois que duas pessoas morreram durante protestos contra seu governo.

Manuel Merino, ex-presidente do Congresso, estava no cargo há menos de uma semana.

Assim, ele substituiu o presidente Martín Vizcarra, que na segunda-feira passada foi afastado em um processo de impeachment por acusações de suborno, o que ele nega.

Contudo, os políticos pediram a renúncia de Merino depois de uma violenta repressão às manifestações contra ele.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Além disso, doze ministros de seu gabinete recentemente nomeado renunciaram no início do domingo (15) em protesto contra a brutalidade policial e sua forma de lidar com a crise.

O Congresso não concordou em substituir Merino na reunião de domingo, rejeitando uma equipe liderada por Rocío Silva Santisteban, escritor e ex-ativista dos direitos humanos.

Uma nova lista, composta por um presidente interino e políticos seniores de todo o espectro, estava sendo elaborada.

 

Presidente interino do Peru
Imagem: Reprodução / Twitter

Presidente interino do Peru renuncia em meio a manifestações

Milhares de manifestantes – muitos deles jovens – participaram de protestos contra a remoção de Vizcarra nos últimos dias.

Afinal, eles acusam o Congresso de encenar um golpe parlamentar. Contudo, Vizcarra tem contado com o apoio contínuo de muitos eleitores por suas tentativas de reforma.

Os protestos de sábado em Lima foram pacíficos, mas os confrontos começaram durante a noite entre a polícia e os manifestantes.

A polícia disparou gás lacrimogêneo e chumbo de espingarda para repelir os manifestantes, alguns dos quais atiraram fogos de artifício e pedras.

Dois estudantes morreram nos protestos.

“Quero que todo o país saiba que estou renunciando”, disse Merino em um discurso na televisão.

Há preocupações com uma crise política crescente, já que o Peru enfrenta uma severa desaceleração econômica provocada pela pandemia do coronavírus.

O Peru impôs um dos primeiros e mais rígidos bloqueios na América Latina para impedir a disseminação do coronavírus. Mas ainda viu os casos aumentarem rapidamente.

Até agora, o país relatou quase 935.000 infecções e mais de 35.000 mortes, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Fonte BBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes