Coronavírus: Reino Unido aprova vacina da Oxford

A Grã-Bretanha é o primeiro país do mundo a aprovar uma vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford para combater uma nova variante altamente contagiosa do vírus.

Reino Unido aprova vacina da Oxford contra o coronavírus.

O país encomendou 100 milhões de doses do fabricante AstraZeneca – o suficiente para vacinar 50 milhões de pessoas.

Assim, a aprovação pelo órgão regulador dos medicamentos significa que a vacina é classificada como segura e eficaz.

O primeiro-ministro Boris Johnson saudou as “notícias fantásticas” como “um triunfo para a ciência britânica”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De acordo com o secretário de saúde britânico, Matt Hancock, o governo “agora pode acelerar o lançamento da vacina”.

“Isso traz o dia em que podemos fazer nossas vidas voltarem ao normal”, disse ele. “Podemos dizer agora com confiança que podemos sair dessa na primavera”.

 

Reino Unido aprova vacina da Oxford

O Reino Unido já aprovou no início deste mês o uso da vacina da Pfizer.

Os testes da Oxford-AstraZeneca começaram no início de 2020, com os testes clínicos iniciais sendo realizados em abril. 

Mas esta segunda vacina deve levar a um aumento significativo na vacinação, pois é mais barata e mais fácil de produzir que o jab BioNTech-Pfizer.

A vacina alemã deve estar em um armazenamento especial a -70Cº. Contudo, a vacina da Oxford pode ser mantida em um refrigerador comum, o que facilita a aplicação para quem precisa.

 

Vacina é eficaz contra a nova mutação

A Grã-Bretanha e a África do Sul, em particular, estão lutando contra novas variantes do coronavírus. Além disso, muitos países reagiram proibindo voos de passageiros e bloqueando o comércio.

A AstraZeneca e outros desenvolvedores disseram que estão estudando o impacto da nova variante. Mas esperam que a vacina atual seja eficaz contra ela.

“Nossa crença neste ponto é que esta vacina deve ser eficaz contra a variante”, disse o presidente-executivo da AstraZeneca, Pascal Soriot, à BBC na quarta-feira.

Além disso, a UE encomendou cerca de 400 milhões de doses de vacinas da AstraZeneca, mas ainda requer aprovação antes de poderem ser administradas.

Fonte DW

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes