Prefeitura de SP abre 5 mil vagas para empregar mães em escolas

Gestão de Bruno Covas (PSDB) deve dar emprego para 5.000 mães atuarem nas escolas da rede municipal de São Paulo, ajudando o combate a Covid-19, com protocolos de segurança. A prefeitura de SP garante que o trabalho será remunerado.

A prefeitura de SP quer combater a Covid-19 nas escolas a todo custo. Para isso, ela anunciou que deve contratar 5 mil mães de alunos para trabalhar nas escolas da rede municipal da capital paulista até o fim do mês de fevereiro. A proposta tem como principal objetivo intensificar os protocolos de segurança contra a Covid. O valor do investimento da prefeitura de SP será em torno de R$34,6 milhões, O trabalho das mulheres será remunerado. As informações são do jornal Agora São Paulo.

Prefeitura de SP contra Covid nas escolas

Imagem mostra crianças lavando as mãos nas torneiras na escola. A rede municipal escolar contará com ajude de mães, segundo prefeitura de sp covid
Alunos aprendem a prevenção ao novo coronavírus (Covid-19) na Escola Municipal Pedro Ernesto. (Foto:Fernando Frazão/Agência Brasil)

Segundo a prefeitura de SP, as mães dos alunos vão atuar como agentes no combate a Covid-19, principalmente, com serviços de atendimento, como aferição de temperatura, higienização de equipamentos e ambientes de uso coletivo, monitoramento e sensibilização no ambiente escolar. Atualmente quem exercer essas funções são os próprios professores.

Na opinião do secretário municipal de Educação, Fernando Padula Novaes, a medida faz sentido tendo em vista que as mães já possuem um vínculo com as escolas, e elas também serão remuneradas, uma oportunidade em meio a crise de desemprego que afeta o país. A prefeitura ressalta que as mulheres serão as responsáveis por controlar as medidas de higienização e controle de proteção contra Covid-19.

“Ela [funcionária] vai apoiar a escola e da comunidade, tem relação por já ter o filho ali. E vai receber um salário em um momento em que há uma crise de desemprego”, ressaltou o secretário.

Entenda como vai funcionar, segundo a prefeitura de sp

As 5.000 mulheres contratadas pela prefeitura de SP terão uma carga horária prevista de 30 horas semanais. Cada mãe receberá um salário mensal no valor de R$ 1.155 durante seis meses. A principal atuação dessas mulheres acontecerá nos horários de atendimento aos estudantes, na entrada, intervalos e saída da escola.

Leia também

Previsão do tempo SP: temperatura cai em fim de semana de…

São Paulo convoca médicos voluntários para ‘operação…

- PUBLICIDADE -

Entretanto, a prefeitura ainda não informou como funcionará o sistema de inscrição das mulheres neste programa. Segundo a publicação do jornal Agora São Paulo, os detalhes do programa deverão ser divulgados até o final do mês de fevereiro.

Quem pode se candidatar para a vaga?

Segundo a prefeitura de SP, existem alguns requisitos para a vaga de agente contra a Covid nas escolas municipais. Segue abaixo alguns deles:

  • Mães de alunos maiores de 18 anos e que morem na capital;
  • Estar desempregada há mais de quatro meses;
  • Não recebem benefícios tais como seguro-desemprego, FGTS, entre outros;
  • Ter renda familiar não superior à metade de um salário mínimo (somado todos os integrantes da família);
  • Fornecer autodeclaração de inexistência de doenças preexistentes.

Volta às aulas na pandemia

Escolas da rede municipal terão apoio intensificado para combater a covid-19, garante a prefeitura de SP
Volta às aulas: ambiente escolar é considerado seguro para Governo (Marcello Casal/Agência Brasil)

No final de 2020, a prefeitura de SP sua expectativa de voltar às aulas presenciais na rede municipal de São Paulo a partir do dia 4 de fevereiro. Contudo, essa decisão não aconteceu pelo aumento do número de casos da Covid na cidade e nos municípios. Após muito entrave, os alunos voltaram para escola nesta última segunda-feira, 15 de fevereiro.

Mas segundo informou o portal G1,  ao menos 530 das 4 mil escolas da rede não abriram por conta da falta de funcionários de limpeza. Alguns integrantes de conselhos escolares também reclamaram das unidades pela falta de condições de ventilação adequadas ou equipes de limpeza suficientes para cumprir as medidas definidas pela Prefeitura de São Paulo para a reabertura.

- PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes