Bolsonaro prorroga corte de jornada e salário por mais dois meses

Programa BEm sobre o corte de jornada e salário deve funcionar por mais 60 dias, totalizando oito meses. Acordos devem ser feitos entre empregadores e seus funcionários.

Nesta quarta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto que autoriza a prorrogação do programa que permite o acordo de suspensão de contratos e cortes de jornada e salário. Serão mais 60 dias, totalizando oito meses. Em suma, o programa já havia sofrido duas prorrogações e o governo já havia confirmado a terceira através do ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Diante do cenário atual de crise social e econômica, e com a permanência de medidas restritivas de isolamento social, faz-se necessária a prorrogação, mais uma vez, do prazo máximo de validade dos acordos”, diz a nota. “Essa ação irá permitir que empresas que estão em situação de vulnerabilidade possam continuar sobrevivendo a este período e, desta forma, preservar postos de trabalho e projetar uma melhor recuperação econômica”, completa.

O governo, então, já gastou R$ 28,5 bilhões para pagar os complementos aos trabalhadores. O total reservado para o programa é de R$ 51,6 bilhões. Portanto, a sobra de recursos foi um dos motivos que levaram o governo a propor uma nova prorrogação do programa.

 

Programa BEm

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O programa tem o objetivo de evitar as demissões em massa, instituído durante a pandemia da Covid-19. A primeira prorrogação do programa aconteceu no dia 14 de julho, elevando para até 4 meses o período para empresas reduzirem a jornada e salários. Em agosto, ficou estabelecido que o prazo poderia ser de até seis meses. Agora, o limite vai a oito meses. O benefício não se prolongará para 2021, com limite em desembro.

O Benefício Emergencial de Preservação de Emprego e Renda (BEm) permite a suspensão de contratos ou a redução de até 70% da jornada de trabalho e salários.  Assim, os acordos que estavam previstas para expirar neste mês, a partir da prorrogação e mediante a assinatura de mais um aditivo contratual, evitarão a ruptura de contratos de trabalho.

 

Como aderir aos acordos de corte de jornada e salário

É preciso ficar atento, já que a prorrogação dos acordos de suspensão de contrato e redução de salário não acontecem de forma automática. Assim, o acerto deve acontecer entre o trabalhador e o empregador, e depois notificar o governo federal. Para algumas categorias, é necessário um aditivo ao contrato e cadastro no governo, além de alterações no sistema do eSocial.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes