Bolsonaro quer elevar isenção do IR para R$ 3 mil até 2022

Promessa de campanha do presidente, entretanto, trazia como proposta o aumento da faixa de isenção para R$ 5 mil

Nesta quinta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que vai tentar aumentar a faixa de isenção do Imposto de Renda (IR) para R$ 3 mil até 2022, durante transmissão ao vivo em rede social.

 

Isenção do IR

“Vamos tentar pelo menos em 2022 passar para R$ 3 mil”, disse Bolsonaro em transmissão semanal nas redes sociais. “Não conseguimos levar adiante a mudança da tabela do Imposto de Renda por causa da pandemia.”

Atualmente, o limite de isenção é de R$ 1.903,98. Diferente da promessa de campanha, disse que não conseguiria aumentar a faixa de isenção para R$ 5 mil porque, como em sua fala anterior, o país estava quebrado.

“Gostaríamos de passar pra R$ 5 mil , não seria de uma vez, mas daria até o final do mandato fazer isso. Não conseguimos por causa da pandemia. Nós nos endividamos em mais R$ 700 bi, não deu pra atender. Vamos ver se para o ano que vem pelo menos passe de R$ 2 mil para R$ 3 mil”, projetou Bolsonaro.

 

Proposta de campanha

Leia também

Saída da Sony do Brasil: quais produtos não serão vendidos?

Relembre as promessas de Bolsonaro sobre os preços da…

Segundo o iG, o presidente relatou que conversa com a equipe econômica sobre o tema e ressaltou que o “posto Ipiranga” é o ministro da Economia, Paulo Guedes. “Tenho falado que não sou economista, todo mundo sabe disso, o posto Ipiranga é o Paulo Guedes, mas tem um detalhe: todo mundo que ganha R$ 3 mil por mês que desconta um pouco do Imposto de Renda dá em torno de R$ 28 bilhões por ano, mas no ano seguinte quase tudo é ressarcido, então jogo contábil de um ano pro outro”.

Ainda segundo o presidente, o aumento da faixa de isenção ajudaria a Receita Federal a gerenciar a arrecadação, com “menos clientes”. Além disso, Bolsonaro aproveitou para rebater algumas críticas de que não estaria cumprindo as promessas de campanha. A culpa seria, então, da chegada da pandemia.

- PUBLICIDADE -

“Não é não está cumprindo compromisso de campanha, era compromisso, ia ser cumprido e aconteceu algo anormal. É você querer comprar um carro, mas alguém da família fica doente, você não compra mais o carro, ou vai deixar o parente morrer por causa disso aí?”, comparou.

 

Leia também:

Bolsonaro pede demissão do presidente do BB; saiba o motivo

Imposto de renda: quais as consequências em não declarar o IR?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes