Casa Verde e Amarela terá mais impostos

Regime que favoreciam o financiamento de casas individuais no programa Minha Casa Minha Vida foram vetados e incentivos estaduais devem ser renovados

Sancionado em 12 de janeiro, o programa habitacional Casa Verde e Amarela, criado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), deve gerar aumento na carga tributária em comparação com o anterior. O substituto do Minha Casa Minha Vida deve gerar um aumento em impostos e afetar os financiamentos habitacionais individuais, que podem se encerrar.

Impostos

O aumento da incidência de impostos é reflexo de um veto de Bolsonaro eliminou o regime simplificado de cobrança de impostos que valia para o Minha Casa Minha Vida. O veto aconteceu com a justificativa de que o Congresso não estimulou o impacto fiscal e nem apontou fontes de receita como compensação, o que fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Além disso, no âmbito estadual e municipal, será preciso revalidar as regras que reduziam a incidência de impostos como ICMS e ITBI para o antigo programa, e que não podem ser transferidos para o Casa Verde e Amarela.

O veto do presidente ainda pode ser derrubado pelo Congresso. Contudo, não existe data marcada para a análise em plenário. Assim, o fim do regime interfere no financiamento de casas individuais. Pelos cálculos da entidade, se o veto presidencial for mantido, a União pode arrecadar R$ 601,16 milhões adicionais em impostos.

Incentivos fiscais de ICMS, IPTU, ISS e ITBI concedidos para o Minha Casa Minha Vida também não se aplicam automaticamente ao Casa Verde e Amarela. Portanto, a carga tributária também deve ser puxada para cima pelos impostos de competência dos estados e municípios.

Para que o programa possa receber os incentivos, o Legislativo de cada estado e município deve atualizar as leis que instituíram as isenções e/ou descontos previstos para o programa anterior. Além disso, o ICMS precisa passar pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

 

Leia também

Nice x Monaco: onde assistir ao jogo da Copa da França…

Novo Auxílio Emergencial vai pagar parcelas de R$ 150 a R$…

Casa Verde e Amarela

Em suma, o programa mantém o foco em famílias de renda entre R$ 2 mil e R$ 7 mil. Além disso, foi vetado o trecho que estabelecia que as construtoras participantes do programa pudessem ter um recolhimento unificado dos tributos equivalente a 4% da receita mensal auferida pelo contrato, assim como no Minha Casa Minha Vida. Portanto, o veto foi feito porque não havia estimativa de impacto orçamentário da proposta e nem de possíveis medidas compensatórias da perda de arrecadação. Assim, as principais mudanças prometidas do Minha Casa Minha Vida para o atual programa foram:

- PUBLICIDADE -

  • Fim da faixa de renda mais baixa (R$ 1.800);
  • Juros mais baixos e juros especiais para as regiões Norte e Nordeste;
  • Regularização de terrenos em parcerias com estados e prefeituras;
  • Reformas de casas sem custo para as famílias;
  • Doação da União de terrenos e imóveis à iniciativa privada para uso em projetos habitacionais.

 

Leia também:

Carnê-leão poderá ser preenchido pelo portal e-Cac; saiba como acessar

Quem são os candidatos à presidência da Câmara dos Deputados?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes