Cobrança do ICMS: entenda a mudança proposta pelo governo Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro vai apresentar ao Congresso na próxima semana, proposta para estabelecer valor fixo na cobrança do ICMS, tributo estadual. A informação foi confirmada por ele e Paulo Guedes durante coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira (05/02).

Após participar de uma reunião com ministros e com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou durante entrevista coletiva nesta sexta-feira, 5 de fevereiro, que o governo federal estuda estabelecer um valor fixo para a cobrança do ICMS sobre o preço dos combustíveis nas refinarias.  A decisão foi apoiada pelo atual ministro da economia, Paulo Guedes, que defendeu a mudança.

O que é o ICMS e como funciona?

Imagem mostra Bolsonaro próximo a Paulo Guedes
(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ICMS é a sigla para se referir ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. A aplicação do imposto é calculada de acordo com o estado, já que se trata de um imposto estadual. A tarifa incide sobre a venda e transporte dos produtos comercializados no país, e pode variar de acordo com o tipo de mercadoria e região. Para calcular o ICMS é preciso considerar: estado de origem-destino; produto; empresa; cliente; mercado, entre outros.

No caso dos combustíveis, o ICMS é cobrado no momento da venda do combustível no posto de gasolina, e cada estado pratica uma porcentagem própria. O valor na bomba é maior que nas refinarias e a variação do preço pode gerar instabilidade econômica e até mesmo greves, como a dos caminhoneiros de 2018.

Opinião de Bolsonaro sobre o ICMS

Para o presidente, estabelecer um preço fixo para o ICMS pode ser uma saída para conter a alta do combustível no país. Segundo Bolsonaro, o valor do imposto seria decidido pelos governos estaduais em conjunto com as assembleias legislativas, e assim nenhuma arrecadação estadual seria afetada negativamente.

Em seu discurso, Bolsonaro garantiu que os governadores não teriam que abrir mão de qualquer arrecadação. Ele também disse que não pretende interferir a Petrobras ou no ICMS cobrado aos estados federativos. “Quem vai definir um valor fixo de ICMS em cada litro de combustível ou de um percentual de cada litro de combustível é sua respectiva assembleia legislativa.”

- PUBLICIDADE -

Valor fixo do ICMS

Apesar de não ter citado um valor estimado que seria taxado e fixo para o ICMS, Bolsonaro deseja que o imposto tenha uma “previsibilidade” parecida com a tarifa do tributo federal PIS/Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) sobre o preço dos combustíveis, que é de R$ 0,35 por litro.

Leia também

PIB em 2020 caí 4,1%: entenda o que isso significa

Saiba como vai funcionar o cadastro do novo auxílio…

Congresso que decide

Por se tratar de uma tarifa que consta na Constituição Federal, a decisão sobre a alteração do molde do ICMS defende da aprovação do Congresso Nacional. Ainda em fase de estudos, Bolsonaro afirmou que caso seja comprovada a viabilidade jurídica, irá apresentar um projeto sobre o tema já na próxima semana.

Relação do governo com a Petrobras

Preço da gasolina e do diesel vão subir neste sábado, diz Petrobras. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Preço da gasolina e do diesel vão subir neste sábado, diz Petrobras. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Jair Bolsonaro declarou que o governo federal não possui intenção de intervir nos preços de refinarias da Petrobras. Para Bolsonaro, respeitar o controle de preços ditos pela empresa estatal é um “compromisso”. “Jamais controlaremos preços da Petrobras. A Petrobras está inserida em contexto mundial de políticas próprias, e nós a respeitamos”, afirmou.

Na última semana, a Petrobras anunciou um segundo aumento no preço da gasolina (5%) e do diesel (4%) nas refinarias, com um preço médio de R$ 2,08 e R$ 2,12 por litro, respectivamente.  Quando isso acontece, os combustíveis aumentam em praticamente em todo o país, já que a empresa é detedora de grande parte das refinarias no Brasil.

- PUBLICIDADE -

O que pensam os governadores

A proposta de Bolsonaro de fixar um valor para o ICMS não agradou grande parte dos governadores estaduais. Após uma postagem em suas redes sociais, 24 governantes, entre eles João Doria (PSDB) e Wilson Witzel (PSC), se posicionaram contra a mudança.

Por meio de uma nota oficial, os governadores destacaram que o ICMS é “a principal receita dos Estados para a manutenção de serviços essenciais à população, a exemplo de segurança, saúde e educação”, e cobrar um valor fixo do imposto poderia prejudicar a arrecadação fiscal dos estados, que corresponde em média, por 20% do total arrecadado.

Os governadores afirmaram que o governo federal deve abrir mãos de receitas de impostos federais que incidem nos combustíveis, “bem como mudar a política de preços praticada pela Petrobras”. As informações foram publicadas pelo portal G1.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes