Cotação do dólar hoje 17/03/2021 – moeda fecha o dia a R$ 5,58

Moeda norte-americana terminou esta quarta-feira (17/03) em queda pelo segundo dia consecutivo.

A cotação do dólar fechou o dia hoje em queda de 0,59% ante o real. Segundo informações do UOL, a moeda norte-americana terminou a quarta-feira (17/03/2021) no valor de R$ 5,586 na venda comercial. Com isso, o dólar apresenta desvalorização pelo segundo dia consecutivo. A resposta vem, principalmente, como reação do mercado financeiro e expectativas em torno de reuniões importantes, tanto no Brasil como nos Estados Unidos.

Isso porque foi decidido, finalmente, a taxa de juros da economia. A reunião do Banco Central (BC) com o Comitê de Política Monetária (Copom), teve como unanimidade elevar a taxa Selic de 2% para 2,75% ao ano. De acordo com a Agência Brasil, é a primeira vez em 6 anos que os juros básicos sobem tanto assim. Especialistas esperavam que o aumento fosse em torno de 2,5%.

Nos EUA, o Federal Reserve (Fed) decidiu hoje o destino da política monetária do país, assim como o Brasil. No entanto, foi decidido que a taxa de juros básicos se manteria entre 0% e 0,25% ao ano. Com isso, a expectativa é que a economia acelere. Integrantes do Fed também garantiram que não haverá aumento até 2023, tal anúncio teve impacto direto na cotação do dólar hoje.

Cotação do dólar hoje 17/03/2021

Mercado financeiro

Em meio as decisões políticas, a bolsa de valores brasileira, Ibovespa (B3), apresentou uma alta significativa e que acabou influenciando a cotação do dólar hoje. O principal índice teve uma valorização em torno de 2,22%, e atingiu os 116.549,44 pontos, principalmente após a decisão do FED. De acordo com especialistas, esta foi a maior cotação do Ibovespa desde 19 de fevereiro de 2021. Na véspera, o Ibovespa fechou em queda, influenciado pela troca do ministro da Saúde, em meio a situação de calamidade que o país enfrenta por conta da COVID-19, reverberou no mercado financeiro.

Com a elevação da taxa Selic (de juros básicos), investidores esperam que a inflação seja contida, mas, em contrapartida, os juros maiores representam uma preocupação para o comércio, já que a produção passa a ser desestimulada e também encarece o crédito ao consumidor.  Analistas ouvidos pela agência de notícias, a Reuters, afirmam que o BC brasileiro “encara uma situação desafiadora”.

Em nota divulgada à imprensa, o BC afirmou que a previsão é que as taxas de juros aumentem ainda mais em 2021. A próxima reunião com o Copom acontece nos dias 4 e 5 de maio. A ideia é que a Selic eleve em mais 0,75%.

Acompanhe as principais notícias do dólar no DCI Digital.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes