Salário mínimo para 2021 deve aumentar apenas R$ 22; veja o que muda

O salário mínimo 2021, apresentado na LDO, tem reajuste sem aumento real. O novo piso salarial entra em vigor em fevereiro de 2021.

O salário mínimo para 2021 terá reajuste menor que o previsto, devido a queda inflação.O valor ficará em R$ 1.067, após a revisão da proposta do Orçamento da União, enviado no último dia de agosto (31). Inicialmente, o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) , apresentado ao Congresso Nacional em abril/2020, fixava o reajuste nominal para R$ 1.079.

Dessa maneira, o novo valor do salário mínimo será de R$ 22 a mais em relação ao vigente em 2020, R$ 1.045. Por outro lado, R$ 12 a menos do proposto pela LDO. Sendo assim, o piso salarial não tem aumento real pela segunda vez consecutiva, se restringindo à correção pela inflação deste ano, 2020, apenas.

 

Como é o reajuste do salário mínimo?

O salário mínimo tem reajuste anual com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e a variação do Produto Interno Bruto (PIB). No entanto, essa regra perdeu a validade em 2019. Desde então, o piso salarial é corrigido de acordo com o INPC, somente.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Logo, a estimativa para reajuste do salário mínimo é de 2,09%, sem aumento real, isto é, acima da inflação.  Sobre isso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou que o aumento real do piso salarial poderia aumentar a taxa de desemprego no Brasil. Em audiência pública na comissão mista do Congresso Nacional, Guedes disse que “hoje, se você der um aumento de salário mínimo, milhares e talvez milhões de pessoas serão demitidas. […] é condenar as pessoas ao desemprego”.

Vale ressaltar que aumentar o salário mínimo é, sobretudo, elevar o poder de compra do trabalhador. Sendo assim, o valor do piso salarial ainda é desproporcional ao custo de vida  médio do brasileiro, segundo o Dieese.

O que é INPC?

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor objetiva a correção do poder de compra dos salários. Sendo assim, para o cálculo do INPC, considera-se as variações de preços da cesta básica, considerando a população com menor renda do país. Ou seja, o INPC mede os custos médios de famílias com rendimentos de 1 a 5 salários mínimos, ou seja, na faixa de R$ 1.045 até R$ 5.225 mensais.

Os preços de itens de alimentação e bebidas, habitação, vestuário, transportes, saúde, educação e comunicação são as variáveis que compõem o Índice.

Por fim, o INPC abrange as principais regiões urbanas do país. São elas: áreas metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre. Além destas, considera-se o Distrito Federal e os municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís e Aracaju.

 

Salário mínimo 2021 é insuficiente?

Mesmo com o reajuste de 2,09% do INPC, o valor do salário mínimo 2021 é insuficiente para suprir necessidades básicas de sobrevivência. Isso é o que demonstra a pesquisa mensal do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o Dieese.

Pela Pesquisa Nacional de Cesta Básica, é possível analisar o salário mínimo nominal, ou seja, o valor vigente de determinado ano, em comparação ao piso salarial ideal. A coleta e divulgação dos dados ocorrem desde 1994, pelo Dieese.

De acordo com a última tabela divulgada, o salário mínimo desejável é de R$ 4.420,11 para o mês de julho. A saber, o menor valor cotado desde março de 2020. Mesmo assim, o preço da cesta básica é cerca de 4 vezes maior que o piso salarial, R$ 1.045.

Por fim, a cesta básica mais cara é em Curitiba. O valor dos alimentos necessários para um mês é de R$ 526,14, correspondendo a 54,43% do salário mínimo líquido. Em seguida, está São Paulo, com a cesta básica de R$524,74 no mês de julho. O menor valor é de Aracaju, capital de Sergipe, custando R$ 392,75, em média.

 

Reação dos Parlamentares – Salário mínimo 2021

Após a divulgação do salário mínimo 2021, sendo R$ 1.067. Vale ressaltar que o novo piso salarial, corrigido somente pelo INPC, não tem reajuste real pelo segundo ano consecutivo, ou seja, desde 2019. O novo salário 2021 entra em vigor em fevereiro do próximo ano.

Confira a reação de alguns parlamentares em suas respectivas redes sociais:

– Glauber Braga (PSOL-RJ) – Deputado Federal

– Alessando Molon (PSB-RJ) – Deputado Federal e Líder do PSB na Câmara

– Maria do Rosário (PT-RS) – Deputada Federal

 

Informar Erro
Através da DIEESE Agência Brasil

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes