Inflação de 2020 será de 3,5%, projeta Ipea

A inflação segue ainda abaixo da projeção inicial de 4%. A alta na taxa é reflexo do aumentos dos preços de alimentos e commodities.

A inflação de 2020 segue em trajetória de alta nos últimos meses. Por isso, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) projeta que a taxa inflacionária do ano deve fechar em 3,5%. O cálculo tem como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Vale lembrar que na estimativa anterior, de setembro, a previsão da inflação era de 2,3%.

De acordo com o Ipea, o aumento no preço dos alimentos resultou na alta da inflação. Mas também, a desvalorização do câmbio e a alta dos preços internacionais de commodities.

A alta projetada para os preços dos alimentos em 2020 passou de 11% para 16,2%, o que deve fazer com que esse grupo seja responsável por 60% da variação do IPCA no ano. As projeções também indicam uma aceleração da inflação para os bens de consumo, de 1% para 2,5%. Os serviços tiveram alta nas projeções, de 0,7% para 1,5%, com exceção dos serviços de educação, estáveis em 1,2%.

Segundo o Ipea, apesar da aceleração da inflação no segundo semestre de 2020, a projeção da taxa ainda está abaixo da meta para 2020, de 4%.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Influência da Inflação no dia-a-dia

Inflação é o nome dado ao aumento de preços de bens e serviços. Seu cálculo é feito a partir de uma cesta de produtos, que possui itens relacionados a alimentação, habitação, vestuário, transporte, saúde, despesas pessoais, educação e comunicação. Quando há inflação, há por consequência diminuição do poder de compra da moeda.

Sendo assim, a inflação influencia diretamente o salário e rendimentos de qualquer pessoa, em relação ao poder de compra. Ou seja, quando a taxa inflacionária aumenta, os preços do produtos também têm alta, principalmente os alimentos e bens de consumo.

Por outro lado, a correção do salário mínimo também tem como base a inflação, sendo assim, o reajuste é maior quando a inflação está mais alta. Contudo, em 2020 e para 2021, isso não será uma vantagem para o trabalhador, pois não há “ganhos reais”. O valor de compra tende a permanecer sem alterações.

Além disso, a inflação reflete em outras taxas de reajuste anuais, como o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M). Sendo assim, influencia na correção de contratos de educação, transportes, telefonia e imóveis, no caso de aluguéis.

 

Leia também

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes