Não tenho condições de devolver o auxílio emergencial, o que fazer?

Pelo menos 627 mil pessoas receberam uma notificação na última semana para devolver voluntariamente o benefício

Quem recebeu o auxílio emergencial de forma indevida, está sendo notificado para devolver o dinheiro voluntariamente. No entanto, muitas pessoas querem saber o que fazer se não tenho condições de devolver o auxílio emergencial. É importante ressaltar que, além de regularizar a situação, a devolução da quantia recebida também evita problemas futuramente. 

Quem vai precisar devolver o auxílio emergencial em 2021?

O Ministério da Cidadania iniciou o mês de outubro enviando a notificação para 627 mil pessoas. As mensagens de SMS foram enviadas através dos números 28041 ou 28042, para os cidadãos que geraram o documento de arrecadação de receitas federais (DARF), após terem feito a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), mas que ainda não fizeram o pagamento.

Neste grupo estão as pessoas que não se enquadraram nos critérios de elegibilidade do programa e mesmo assim receberam o dinheiro. Portanto, precisam devolver o auxílio emergencial os trabalhadores que possuem indicativo de recebimento de outro benefício pago pelo governo federal, como aposentadoria, seguro-desemprego ou Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm). 

Além disso, as pessoas que possuíam vínculo empregatício na data do requerimento do auxílio emergencial, assim como os cidadãos que possuíam renda incompatível com o recebimento do benefício. O limite de renda permitido para participar do programa é de R$ 550 por pessoa e renda mensal familiar de até R$ 3.300.  Também precisa devolver o dinheiro do auxílio emergencial, quem recebeu o pagamento nas seguintes condições:

  • Quem teve rendimentos acima de R$ 28.559,70 em 2019;
  • Quem possuía fontes de renda não tributáveis acima de R$ 40 mil;
  • Quem tinha a posse ou propriedade de bens ou direitos com valor total superior a R$ 300 mil até 31 de dezembro de 2019;
  • Quem não movimentou o Auxílio Emergencial que foi depositado na conta poupança social digital em 2020;

Relacionado | Auxílio Emergencial: seu nome está na lista para devolver o dinheiro?

O que fazer se não tenho condições de devolver o auxílio?

Se você recebeu a notificação do Ministério da Cidadania precisa fazer a devolução o quanto antes, para evitar transtornos. Mas é importante ressaltar que o cidadão que recebeu o auxílio emergencial de forma indevida, não tem a opção de fazer o pagamento do valor total de forma parcelada. 

Sendo assim, para aqueles que não tem condições de devolver o auxílio emergencial, uma opção é conferir quantas parcelas devem ser pagas. Aqueles que não possuem DARF em aberto, devem fazer essa consulta através do www.gov.br/cidadania/pt-br.

Por hora, a plataforma está fora do ar, mas a previsão é de que retorne até sábado, dia 9. Sendo assim, bastará informar seu CPF para fazer a emissão da Guia de Recolhimento da União (GRU). 

devolucao-do-auxilio-emergencial-2.jpg

Como não é possível fazer o parcelamento, você pode quitar o total recebido por parcela, ou seja, para cada parcela que tenha sido depositada em sua conta poupança social digital, você deverá gerar uma guia para fazer o pagamento.  Esse valor pode ser referente à R$ 600 ou R$ 1200 (no caso de mulheres chefes de família), que tenha sido recebido durante 2020. 

LEIA TAMBÉM | Passo a passo de como devolver o auxílio emergencial

Como o Ministério da Cidadania ainda não definiu um prazo para quitar o valor total, os cidadãos podem se organizar financeiramente para pagar uma parcela de cada vez. Mas é importante ressaltar que aqueles que informaram ter recebido o auxílio emergencial através da declaração do Imposto de Renda, devem fazer o pagamento em cota única. 

Isso é feito por meio do DARF (Documento de Arrecadação das Receitas Federais), que deve ser emitido pela plataforma aplicacoes.cidadania.gov.br/aviso/devolucao

O que acontece se não devolver o auxílio emergencial?

Para quem está em dúvida sobre o pagamento, pois não tenho condições de devolver o auxílio emergencial saiba que podem ser enfrentados alguns transtornos. Se você ainda está recebendo o auxílio emergencial, uma das consequências de não fazer a devolução do período necessário é o cancelamento do benefício. 

Mas é importante ressaltar que as pessoas que estão pensando em não devolver o auxílio emergencial também podem enfrentar outros transtornos mais sérios, pois ficarão com pendências junto à Receita Federal. Sendo assim, o cidadão será inscrito em dívida ativa da União, o que resultará no pagamento de juros e multas. 

Isso também traz outros problemas, como o impedimento de se candidatar em chamadas públicas, conseguir linhas de crédito, como empréstimos e financiamentos. Vale lembrar que as pessoas que não restituírem o valor aos cofres públicos também precisarão prestar contas através da declaração do Imposto de Renda que deverá ser apresentada em 2022 para a Receita Federal. Em certas situações, também poderá haver investigações sobre o motivo da não devolução do auxílio.

Como contestar para não devolver o auxílio emergencial?

As pessoas que não receberam o auxílio emergencial, mas mesmo assim estão sendo notificadas para devolver o recurso podem recorrer ao Ministério da Cidadania. Para isso, a orientação é preciso fazer uma denuncia através do site gov.br/auxilio. 

Na plataforma, procure pelo “formulário eletrônico” e você será redirecionado para a “Plataforma Integrada de Ouvidoria e Acesso à Informação”.  Depois, basta informar a cobrança indevida. Outra opção é informar o ocorrido através do telefone 121 ou ir até a uma agência da Caixa Econômica Federal para solicitar que seja feita uma verificação do valor que está sendo cobrado. 

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes