O que é o novo marco fiscal e como ele põe fim nos concursos públicos

Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, um novo marco fiscal deve vir para possibilitar a aplicação do novo auxílio emergencial em 2021. A previsão é que o benefício comece a ser distribuído para a população a partir de março.

O governo federal está se preparando para a volta do auxílio emergencial no próximo mês de março, e para isso acontecer, o Ministério da Economia ainda estuda como fazer com que o benefício não afete o teto de gastos públicos, seguindo também a Lei de Responsabilidade Fiscal. Paulo Guedes, ministro da pasta, já falou até sobre um novo marco fiscal à caminho.

Durante um almoço com os líderes do Congresso Nacional, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) na última sexta-feira (12/02), o ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou o “compromisso com o auxílio emergencial, vacinação em massa e reformas tributárias”.  As informações são do jornal Metrópoles.

“Avançamos bastante. Nosso compromisso é com a saúde, vacinação em massa e auxílio emergencial. E compromisso com a responsabilidade fiscal. [Encontro] extraordinariamente construtivo. Estamos todos na mesma luta: auxílio, vacinação em massa, e reformas, principalmente o marco fiscal”, disse Guedes.

O que é marco fiscal?

Imagem mostra uma calcularadora, papel e caneta
Reprodução

O marco fiscal geralmente é usado para reajustar as contas públicas, como no caso atual em que a conta do governo federal poderá ficar “apertada” com o retorno do auxílio emergencial em virtude da pandemia do novo coronavírus. Com um novo marco fiscal, é possível reajustar impostos, aumentando a arrecadação destes, ou diminuindo os gastos.

Como novo marco fiscal afetará os concursos públicos?

Segundo Guedes, o foco do governo e a proposta do novo marco fiscal é focar somente nas questões da pandemia, como o auxílio e a vacinação em massa. Com isso, os concursos públicos deverão ser afetados, já que a contenção dos gastos é a nova realidade fiscal do país.  A publicação do Metrópoles afirmou que os concursos públicos serão vedados neste ano, ou seja, não haverá entrada de novos funcionários em cargos públicos.

Leia também

Novo Auxílio Emergencial vai pagar parcelas de R$ 150 a R$…

Novo auxílio emergencial pode ser liberado em março

- PUBLICIDADE -

O documento com tal medida já foi enviado aos membros da liderança do Senado pela equipe do parlamentar Marcio Bittar (MDB-AC). O objetivo é criar um novo marco fiscal, que será composto pela união do teto de gastos com a Lei de Responsabilidade Fiscal. De acordo com o texto, se as despesas federais obrigatórias ficarem acima de 95% do total previsto, as medidas de controle de gastos serão colocadas em prática.

Segundo a matéria do Metrópoles, cargos públicos neste caso entram nas despesas que ficam acima do teto de gastos, portanto, os concursos públicos deveram ser interrompidos por tempo indeterminado – de acordo também com a previsão de duração do auxílio emergencial. A redução de 25% dos salários dos servidores e da jornada de trabalho ficaram de fora da proposta.

Como fica o funcionalismo público?

A previsão é que os efeitos colaterais da nova proposta de controle de gastos e marco fiscal afetem diretamente o funcionalismo público, já que este depende diretamente do funcionamento dos concursos públicos, responsáveis por criar cargos e empregar funcionários de diversas áreas, sejam elas administrativas nas áreas de saúde e serviços.

Novo auxílio emergencial

Imagem mostra celular com o aplicativo do Novo auxílio emergencial e notas de cem reais
(Foto: O Globo/Arquivo)

A volta do auxílio emergencial, que passará a ser chamado de BIP (Bônus de Inclusão Produtiva), já foi confirmada pelo governo federal, entretanto, o valor exato do benefício ainda não foi confirmado. Segundo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) o benefício deverá  ter duração de 3 ou 4 meses.

Para Bolsonaro, é “inviável manter o benefício por um praz indefinito”, e “está quase certo” que em março alguns brasileiros terão acesso ao novo auxílio. Até o momento, o ministério da Economia do governo estuda aplicar o valor de R$ 200, diferentemente do anterior, que foi de R$ 600. Além disso, o acesso ao BIP será bem menor do que o auxílio aplicado em 2020.

- PUBLICIDADE -

O BIP, novo auxílio emergencial, será destinado a trabalhadores informais que não são contemplados pelo programa Bolsa Família. Também no caso do BIP, ao ter o benefício aprovado, o trabalhador terá que participar de um curso de qualificação. Podem ser feitas parcerias com órgãos do Sistema S, que devem ser os responsáveis pela capacitação. O benefício deve se associar também ao associado ao programa Carteira Verde e Amarela, que flexibiliza o pagamento de direitos trabalhistas para estimular contratações.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes