Regime de Recuperação Fiscal: veja o que muda com nova ampliação

O presidente Bolsonaro sancionou nesta quinta (14) o socorro a estados e municípios e ampliação do prazo de Regime de Recuperação Fiscal; Veja o que muda:

O projeto de lei com pacote de medidas de socorro a estados e municípios foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (14). A proposta altera regras do Regime de Recuperação Fiscal, o RRF, que concede alívio no pagamento de dívidas com o Governo Federal.

Em comunicado, o Palácio do Planalto informou que Bolsonaro vetou trechos da proposta original, como o que previa a suspensão da cobrança de 2021 da compensação que normalmente acontece quando estados deixam de honrar dívidas com instituições financeiras. O Planalto afirma que a medida contraria o dispositivo constitucional que proíbe a criação de gastos não previstos, além de representar um risco para as contas públicas.

A proposta de mudanças no RRF foi aprovada na Câmara há um mês, em 15 de dezembro, por 381 contra 57, e 5 abstenções. O Senado aprovou o projeto no mesmo dia, em uma sessão realizada por volta das 23h.

O que muda com a nova proposta de Regime de Recuperação Fiscal?

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A proposta, de autoria do hoje secretário municipal da Fazenda do Rio de Janeiro, Pedro Paulo (DEM-RJ), aumenta de seis para dez anos o prazo do Regime de Recuperação Fiscal, o que prevê alívio no pagamento de dívida de governos locais que desejam ajustar as contas públicas.

Em outra frente, a proposta também flexibiliza as regras para estados que descumpriram o teto de gastos, restringindo também o aumento das despesas públicas.

 

Quais são os estados beneficiados?

A nova regra beneficia o Rio de Janeiro, a única unidade da federação a aderir o programa. Sem a sanção das novas regras, o programa teria duração de três anos, podendo ser ampliado para seis. No caso do estado do Rio de Janeiro, a primeira metade desse prazo terminou em setembro.

Com a nova medida sancionada, espera-se que o governo fluminense retome a negociações para ingressar no programa reformulado. Outros estados como Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Goiás também demonstração interesse em aderir ao programa.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes