Saiba como Joseph Safra se tornou o homem mais rico do Brasil

A pessoa mais rica do Brasil e o banqueiro com a maior fortuna do mundo, dono do banco Safra morreu na manhã de hoje (10), por causas naturais.

Na manhã de quinta-feira (10), o banqueiro mais rico do mundo e a pessoa mais rica do Brasil, Joseph Safra faleceu. A morte foi por causas naturais, como indica nota enviada pelo Banco Safra. Safra deixa a esposa Vicky Sarfaty, quatro filhos e 14 netos. Embora, tivesse a maior conta bancária do Brasil, Joseph prezava pela segurança e se mantinha longe dos holofotes. Confira mais curiosidades sobre a vida do banqueiro.

Quem foi Joseph Safra?

Nascido no final da década de 1930, em Beirute, na Síria, dentro de uma família judaica, Joseph se mudou para o Brasil em 1962. Conseguiu a cidadania brasileira anos depois. O bilionário era o homem mais rico do país e o banqueiro mais rico do mundo. Tinha dois irmãos, Moise, que morreu em 2014 e Edmond Safra, faleceu em 1999. Ambos também seguiram carreira no ramo bancário. Safra era casado com Vicky, com quem teve quatro filhos.

A veia para os negócio foi herdada pelo pai deles, o primeiro banco da família foi aberto, ainda na década de 1920, pelo pai Jacob, em Beirute, no Líbano. Jacob migrou com a família para o Brasil, em busca de um refúgio, e em 1955 criou o Banco Safra, com apenas sete funcionários.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Como ele construiu sua fortuna?

A família Safra sempre trabalhou no ramo de bancos, o pai Jacob Safra fundou o primeiro banco da família em 1920. Joseph trabalhou desde cedo no banco de seu pai, que veio a São Paulo para fundar o Banco Safra. Ao contrário do que poderia se pensar, Joseph era conservador nos investimentos e acumulou riqueza lentamente para anos mais tarde assumir o banco Safra no Brasil, que hoje é a 4ª maior instituição financeira privada do país. Uma frase famosa do banqueiro era “Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer tempestade”.

Quando abriu o banco em 1955, a família Safra trouxe ao Brasil técnicas já desenvolvidas em mercados financeiros mais desenvolvidos, como o do Oriente Médio, mas ainda estranhas ao mercado nacional. O que foi um diferencial positivo para os negócios. Com o sucesso de suas operações, os Safra passaram a comprar outras instituições financeiras. Em 1972, com a aquisição do Banco das Indústrias, o nome Banco Safra passou a ser oficialmente utilizado.

Em 2012 deixou a gestão do Banco Safra, passada para seus filhos Alberto, David e Jacob. Contudo, os irmãos se desentendiam em como tocar os negócios, por isso, em 2019, Alberto decidiu deixar o banco, levando outros dois executivos importantes.

Além deles, Joseph tinha uma filha: Esther, que foi a única da família a não ingressar no ramo bancário. Esther, que é casada com Carlos Dayan, do banco Daycoval, ela é diretora da escola judaica Beit Yaacov, que tem o patrocínio de seu pai.

Joseph também era dono de 50% da Chiquita Brands International, a maior fabricante de bananas do mundo, que comprou em 2014 em sociedade com o também bilionário brasileiro José Cutrale, além do icônico edifício The Gherkin de Londres.

Vida pessoal de Joseph Safra

Joseph Safra e Vicky
Joseph e Vicky Safra (Foto: André Ligeiro)

Embora, tenha sido o homem mais rico do Brasil e se deslocava pela capital paulista de helicóptero, Joseph não era um homem de extravagancias ou ostentações. Sempre teve um perfil discreto e conservador nos negócios. Era chamado de seu Zé pelos amigos e seu José pelos funcionários. Além disso, o banqueiro se preocupava muito com sua segurança e de sua família, então se mantinha longe das câmeras e da mídia na medida do possível.

Joseph era também um filantropo, que fazia inúmeras doações, por exemplo, é um dos maiores doadores do hospital Albert Einstein e do Sírio-Libanês. Além disso, doou as esculturas de Rodin na Pinacoteca de São Paulo, assim como o manuscrito original da Teoria da Relatividade de Albert Einstein, ao Museu de Israel em Jerusalém. Recentemente, também foram doados R$ 30 milhões para o combate à Covid-19.

Além disso, Joseph era um homem culto, sabia falar seis idiomas: inglês, francês, espanhol, italiano, hebraico e árabe. Também gostava de colecionar obras raras.

Onde Joseph Safra morava?

Mansão de Safra
Mansão de Joseph Safra (Foto: Reprodução)

O banqueiro mais rico do mundo residia em uma mansão de 11 mil metros quadrados, com 130 cômodos, cinco andares e IPTU de R$ 1 milhão no bairro do Morumbi, em São Paulo. Apesar da segurança extremamente reforçada de sua casa, o banqueiro teria confessado a amigos que preferia ter erguido algo mais discreto que “não destoasse tanto da paisagem local”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes