TCU recomenda imposto para subsidiar o Bolsa Família

A isenção de impostos sobre a cesta básica beneficia grupos das regiões mais ricas do Brasil, como incentivo fiscal, segundo TCU.

O Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou a cobrança de impostos sobre os produtos da cesta básica para reforçar a receita para o Bolsa Família. Sendo assim, os ministros do órgão federal defendem que a tributação, suspensa atualmente, seria uma saída para a criação de outro programa de transferência de renda, como o Renda Cidadã.

Contudo, o governo federal já planejou em acabar com a isenção de impostos da cesta básica. Vale ressaltar que a recomendação  do TCU não é definitiva. Ou seja, é o Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) que deve decidir a se tributação entra em vigor ou não.

Além disso, a incidência de tributos nos itens da cesta básica já foi uma pauta de discussão entre os Ministérios da Economia e da Cidadania, para a ampliação do Bolsa Família. Assim,  aumentar o valor do benefício de R$ 189, em média, para R$ 300. Mas, a proposta recebeu o veto presidencial.

O governo deixou de arrecadar R$ 32,2 bilhões, em 2019, com a isenção dos tributos em produtos básicos, segundo o TCU. Em contrapartida, o orçamento do Bolsa Família era de R$ 30,1 bilhões. De acordo com o tribunal, tal medida beneficia apenas grupos em regiões ricas do país, sendo assim, um incentivo fiscal. Além disso, afirmou que a isenção  não cumpre o objetivo social, que é a redução das desigualdades.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Bolsa Família X Isenção de tributos na Cesta Básica

O programa de transferência de renda, Bolsa Família, tem sido um dos principais assuntos do atual governo. Depois da tentativa de substituição do Bolsa Família ainda em 2020, nos últimos meses, a discussão é o financiamento da ampliação do programa. Sendo assim, o Renda Cidadã e, em seguida, a implementação do Renda Brasil precisa de novas fontes de receita para se tornar realidade.

Contudo, o TCU afirmou que o Bolsa Família tem mais eficiência na redução da pobreza do que a isenção de impostos sobre a cesta básica. Segundo estudo do órgão, o programa social reduziu a desigualdade de renda em 1,7%, em 2016. Já o resultado do benefício fiscal nos produtos de alimentação é de 0,1%.

“Dessa forma, concluiu-se que o Bolsa Família é, aproximadamente, doze vezes mais eficiente do que a desoneração da cesta básica para reduzir a desigualdade de renda”, apontou o TCU.

Veja também:

Informar Erro
Fonte TCU

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes