Finanças para quem mora sozinho: saiba como organizar os gastos

Anotar os gastos do dia a dia, ter uma reserva de emergência e evitar compras por impulso estão entre os objetivos de finanças para quem mora sozinho.

Morar sozinho é a realidade e também o desejo de uma série de pessoas. Essa situação traz benefícios como a maior privacidade, mas também novas responsabilidades, como arcar com todas as despesas do lar. Anotar os gastos do dia a dia, ter uma reserva de emergência e evitar compras por impulso estão entre os objetivos de finanças para quem mora sozinho.

Entenda, a seguir, como organizar a vida financeira, de modo a não extrapolar o orçamento.

Planejamento financeiro para quem mora sozinho

Primeiramente, recomenda-se anotar os receitas e despesas. Isso pode ser feito, por exemplo, em uma planilha. Mas para quem não tem familiaridade com essa plataforma, pode escrever esses valores em um caderno. O importante é ter a noção de quanto dinheiro é necessário a cada mês.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Sendo assim, é preciso definir os gastos fundamentais. Tais como: alimentação, contas de água e luz, aluguel. Feito isso, será possível verificar se o atual padrão de vida condiz com o orçamento disponível. Conforme explica a coach e educadora financeira Átila Lima, se a pessoa perceber que vive um padrão de vida maior do que consegue pagar, deve começar a pensar em soluções como: procurar um lugar com aluguel mais barato, dividir espaço com outra pessoa ou aumentar a renda mensal.

Ademais, ter uma reserva de emergência deve ser um dos objetivos para finanças de quem mora sozinho. A reserva equivale à um montante de dinheiro que se usará em casos de imprevistos. A quantia recomendada é de no mínimo seis meses de despesas essenciais, segundo a educadora.

Gastos com alimentação

Mulher no supermercado
Fonte: Freepik

Já no quesito alimentação, uma dica é fazer um cardápio prévio do que será consumido ao longo da semana ou do mês. Isso evita desperdícios, como é o caso de comprar um legume que não tem o costume de preparar, e ele acabar apodrecendo. Ou então adquirir um outro item somente pelo fato de estar na promoção, e não consumi-lo até seu vencimento. “Você joga dinheiro fora quando joga alimentos fora”, afirma Lima.

Além disso, também é válido evitar de ir ao supermercado no início do mês, que é quando a maioria das pessoas vai e os preços tendem a estar um pouco mais altos. A dica é ir a partir do dia 10. Fazer as comprar em mercados atacadistas pode ser mais econômico, ao obter mercadorias em fardos, por exemplo. E pode-se dividir as compras com um amigo, caso seja necessário.

Gastos com limpeza

Mais uma vez é preciso observar os hábitos de consumo pessoais, para não comprar produtos em excesso. Recomenda-se verificar a quantidade de artigos de limpeza usados a cada mês.

No que tange a limpeza da casa em si, avaliar a contratação dos serviços de uma diarista vai variar da situação de cada pessoa. Lima diz que essa questão é relativa ao tempo disponível, caso seja possível usar as horas que seriam dedicadas à uma faxina para obter uma renda extra, pode-se considerar pagar alguém para esse trabalho.

Manutenção do lar

Um lar precisa de cuidados. Comprar eletrodomésticos, reformar um cômodo, pintar algumas paredes ou caprichar em uma decoração. Para isso é necessário planejamento. Dessa forma, o passo a passo é anotar os objetivos e o tempo em que deseja alcançá-los. A partir disso, estimar se ‘cabe’ no orçamento. Caso não a resposta seja negativa, não é hora de desanimar, mas sim de procurar novos caminhos.

Um deles é considerar realizar a meta em um intervalo maior de tempo. Ou procurar por alternativas mais baratas: por exemplo se quer um novo guarda-roupa, considerar comprar um semi-novo ou reformar o antigo.

Identificando gastos desnecessários

Homem usando notebook com cartão de crédito na mão.
Fonte: Freepik

Diferenciar as despesas básicas das dívidas é essencial para conseguir cortar alguns gastos. Feito isso, e com os objetivos anotados é possível ter um controle financeiro. E não se deixar levar por anseios imediatistas e compras desnecessárias, mesmo que os produtos estejam em promoção.

A coach diz ainda que é fundamental buscar por educação financeira, e assim, entender conceitos relativos às finanças. Acessando então conteúdos e cursos de qualidade. Ou buscando orientação de um profissional da área para alinhar as finanças para quem mora sozinho.

Bônus: dicas de finanças para quem está pensando em morar sozinho

Para quem não mora sozinho, mas tem esse desejo há algumas orientações que podem ajudar a tomar a decisão. A princípio, é pertinente estabelecer o padrão de vida que se terá de acordo com a renda mensal. Não há problema caso esse padrão diminua em relação ao vivido morando com a família. Então, define-se um limite de gastos que poderá ser pago a aluguel ou parcelas de financiamento, bem como as demais despesas.

Por fim, é oportuno já ter parte da reserva de emergência construída. Em torno de dois ou três meses de despesas disponíveis. Sendo assim, se recorrerá a ela em caso de necessidade, ao invés de contratar um empréstimo ou ter que retornar a casa dos pais.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes