Onde aplicar o dinheiro reservado para emergências

Tributação e liquidez diferenciam a caderneta, o Tesouro Selic e o CDB-DI e influenciam no rendimento

Não está nada fácil a vida de quem quer remunerar adequadamente em uma aplicação o dinheiro juntado como reserva para atendimento a alguma emergência. Caderneta, Tesouro Selic ou CDB-DI? A taxa básica da economia, a Selic, subiu, mas os juros que remuneram a renda fixa permanecem baixos, insuficientes para fazer frente à inflação.

A remuneração das três opções, as mais tradicionais no mercado de renda fixa, está atrelada à taxa Selic, hoje em 2,75% ao ano. A caderneta rende 70% da Selic, o que dá 1,93% ao ano; o Tesouro Selic, que o investidor compra na plataforma do Tesouro Direto, remunera com a Selic integral, ou 2,75% ao ano. Já o CDB-DI, emitido pelos bancos, rende o juro DI, que tem equivalência com a Selic. Portanto, anda perto de 2,75% ao ano.

A semelhança se esgota aí. Existem características, relacionadas à tributação e à liquidez, que diferenciam uma das outras e influenciam o rendimento de cada uma delas.

A caderneta de poupança é isenta de imposto. O rendimento de 1,93% ao ano ou 0,16% ao mês é o líquido que cai na conta do poupador. O Tesouro Selic rende a Selic integral, mas recolhe imposto de renda. Quem saca o dinheiro aplicado antes de 180 dias recolhe 25% sobre o rendimento, tributação que praticamente leva ao empate com a caderneta. A tributação do CDB-DI segue a regra do Tesouro Selic.

No item rendimento, para aplicação de até seis meses, os ganhos praticamente se equivalem. A caderneta rende menos, como porcentual da Selic, mas não recolhe o imposto que os títulos pagam.

Liquidez é importante para o dinheiro da reserva

Nesse ponto, a caderneta leva desvantagem. A poupança credita o rendimento a cada 30 dias, no aniversário da conta. Saques feitos fora da data-base levam à perda do rendimento do período sobre a parcela retirada, a ser creditado na data de aniversário seguinte.

O Tesouro Selic possibilita resgate a qualquer momento. Se feito antes de 29 dias, porém, o investidor paga o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), além do IR. O CDB-DI permite saques livres, com rendimento até a data da retirada, após 30 dias de aplicação. Tesouro Selic e CDB oferecem maior flexibilidade para movimentação, sem perda do rendimento. Uma condição necessária para a reserva de emergência.

De olho na segurança

Do ponto de vista da segurança, de garantia de recebimento do valor aplicado, pode-se dizer que há um empate entre essas opções para empregar o dinheiro da reserva. Caderneta e CDB-DI contam com o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) para o ressarcimento do investidor em caso de dificuldade financeira ou quebra da instituição que acolheu o depósito ou emitiu o título. A cobertura é de R$ 250 mil por CPF ou banco, até o limite de R$ 1 milhão.

O Tesouro Selic não tem a proteção do FGC, mas conta com a garantia do Tesouro Nacional. Apesar das preocupações fiscais, diante da acelerada expansão do déficit público, títulos da dívida pública federal são avaliados como os mais seguros do mercado financeiro.

Você pode gostar também
buy cialis online