Moda sustentável: modelos de negócios que minimizam o impacto ambiental

Até a atriz Marina Ruy Barbosa se rendeu à moda sustentável com o lançamento da marca Ginger – que já teve peças esgotadas em menos de um dia

Aos 25 anos, a atriz Marina Ruy Barbosa acaba de se aventurar em uma área que ela conhece muito bem: a moda. Dona de um guarda-roupa invejável e queridinha de marcas como Dolce & Gabbana, a atriz investe na sua própria marca, a Ginger, que apresenta conceitos de arte e moda sustentável.

“Acredito em uma moda com olhar para o futuro, com mais atenção ao meio ambiente e preocupada o impacto”, disse em post nas redes sociais. A Ginger chegou com a coleção Prefácio, com peças de referências esportivas e comfy – que se esgotaram em menos de 24 horas.

Além do apelo fashion, as roupas apresentaram um conceito de moda sustentável, confeccionadas em tecidos 100% algodão. A Ginger trabalha, ainda, com etiquetas de papel-semente, um material artesanal e biodegradável que pode ser plantado. “Dessa forma, as tags da Ginger ao invés de virarem lixo, se tornam plantinhas”.

Moda sustentável
Reprodução/Instagram

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O que é moda sustentável?

São necessários mais de 2 mil galões de água para fazer um par de jeans. Essa é a quantidade de água que uma pessoa bebe, em média, num período de 7 anos. A produção de roupas e calçados é responsável por 8% das emissões globais de gases de efeito estufa – mais que a indústria de navios e aviação. Juntas.

Consequentemente, se continuar neste ritmo, estas emissões deverão  aumentar quase 50% até 2030, segundo dados da ONU. É por estes e outros fatos que a indústria trilionária da moda pode ser considerada uma das mais poluentes do mundo. Consciente disso, também é uma das áreas que mais investe em alternativas para minimizar os impactos no meio ambiente.

É neste contexto que temas como sustentabilidade entraram na moda: são ações, métodos e processos minimizam os efeitos gerados na cadeia de produção têxtil, no ciclo de vida de cada produto.  O objetivo da moda sustentável é criar um sistema que funcione com o mínimo impacto possível ao meio ambiente. Desta forma, atinge todas as etapas do ciclo que começa com a plantação dos insumos ao beneficiamento dos fios, passando pela produção do tecido e das roupas, até o consumo e descarte de peças. E vai além: também leva em conta reutilização e reciclagem dos produtos e cada um dos seus componentes.

Reprodução/Pixabay

Benefícios da moda sustentável

Uma cadeia limpa na moda permitiria não só a redução do uso de recursos naturais não-renováveis como a água, por exemplo. Como também a diminuição considerável de resíduos têxteis no meio ambiente. Afinal, estima-se que a cada segundo um equivalente a um caminhão de lixo têxteis é depositado em um aterro ou queimado – uma perda de US$ 500 bilhões ao ano com roupas que vão para o lixo (sem ser recicladas).

Outro benefício da moda sustentável é garantir condições justas e salários dignos para quem trabalha neste segmento. Então, na prática, isso significa que produzir roupas, acessórios e sapatos de maneira mais sustentável possível traz não só benefícios ambientais como também sociais e econômicos.

Reprodução/Pixabay

Moda sustentável e o consumo consciente

Nada disso seria possível sem a conscientização de quem compra artigos fashion. Para o consumidor, moda sustentável significa saber mais sobre a produção e os valores das marcas, bem como se perguntar: vale a pena adquirir uma peça que explorou a natureza e também pessoas para ser feita?

O consumo consciente começa com a escolha de peças mais duráveis, que dificilmente compõe o sistema fast fashion (moda rápida, em tradução livre) que  ainda se vê hoje no varejo. E passa por uma mudança de atitude em relação a novos padrões de consumo na moda. Desta que a compra de peças de segunda mão (nada como um brechó!), aluguel de roupas, looks com materiais orgânicos e reciclados.

Em casa, o consumidor pode contribuir com a moda sustentável com ações simples. Como lavar menos as peças de roupa, por exemplo. Na internet, é possível participar de grupos de peças de roupas, para evitar o descarte no lixo. Além disso, aproveitar a oferta das confecções locais, minimizando a pegada de carbono com o transporte de roupas (que produz uma grande quantidade de CO2).

Reprodução/Pixabay

Moda sustentável: e as marcas?

Certamente, a grife Ginger de Marina Ruy Barbosa não é a única a apostar no conceito de moda com propósito, trazendo a combinação entre estilo e sustentabilidade. Mas o desafio de desenvolver uma cadeia limpa e com preocupação ambiental também preocupa grandes marcas – da alta-costura às mais populares no varejo.

Moda verde de luxo

A Gucci, por exemplo, criou a coleção cápsula Gucci Off the Grid, com roupas e acessórios feitos com materiais orgânicos, reciclados e com base biológica. No ano passado, a marca italiana criou o Equilibrium Gucci que mostra não só as estratégias de sustentabilidade da marca mas, também, as metas para reduzir o impacto ambiental.

Entre 2015 e o ano passado, a grife italiana conseguiu diminuir em 39% este impacto – além de 37% em sua pegada de carbono no mesmo período. E tem até perfil no Instagram com mais de 16 mil seguidores e famosos engajados, como a atriz Jane Fonda.

Divulgação/Gucci

Jeans com baixo consumo de água

Na última semana, as lojas Renner lançaram a Re Jeans, uma coleção de roupas em denim com consumo de água até 44% menor na comparação com uma peça tradicional. Além disso, o mix de matérias-primas utilizadas na confecção da linha foi aprimorado. Assim, todos os fornecedores aproveitaram sobras de tecido, que foram desfibrados e transformados em um novo fio.

Igualmente, as roupas da Re Jeans também foram elaboradas com algodão certificado e sem poliéster – o que permite que cada uma das peças possam ser recicladas de novo e de novo. Como resultado, atualmente 75% de todo o jeans da Renner já é feito a partir de materiais e/ou processos de menor impacto.

Divulgação/Renner

Menos plástico, mais esporte

A Adidas também aposta em moda sustentável com uma nova linha de alta performance. A Primeblue foi toda produzida com Parley Ocean Plastic – material feito a partir de resíduos plásticos interceptados de ilhas remotas, praias e comunidades costeiras. Cada produto da coleção traz, pelo menos, 40% de materiais reciclados.

Tecidos de alta performance como o Primeblue aproximam cada vez mais a marca do seu compromisso de colocar fim ao uso de resíduos plásticos em suas roupas, acessórios e embalagens.  Apenas em 2020, mais de 50% de todo o poliéster utilizado pela Adidas em seus produtos será reciclado. A meta é que em 2024 este índice chegue a 100%.

Divulgação/Adidas

Moda sustentável além do marketing

Uma das tendências da pós-pandemia é justamente essa: a moda sustentável, com processos mais limpos e respeito ao meio ambiente. Marcas engajadas que vão muito além das ações de marketing e posts fofos nas redes sociais.

Um relatório recente do Instituto C&A, intitulado “O Futuro da Sustentabilidade na Indústria da Moda”, mostrou que com esforços e comprometimento, a moda sustentável será viável em 16 anos. E que planejamentos que incluem soluções práticas como coleções colaborativas, moda circular, negócios de revenda ou segunda mão e inovações na indústria estão entre os pontos estratégicos para esta mudança.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes