Ibovespa engata seu quinto recorde seguido e atinge 130 mil pontos

Índice encerrou a sexta-feira em alta de 0,40%, ajudado por número menor de vagas de emprego criadas nos EUA

 Em semana mais curta cortada por feriado,  Ibovespa, após encerrar todos os dias em alta, fechou a sexta-feira, 4, com novo recorde atingindo 130 mil pontos. Após iniciar o dia em baixa, o mercado reagiu bem aos dados de emprego nos Estados Unidos. De acordo com indicador divulgado mais cedo, foram criados 559 mil empregos em maio, abaixo do esperado por analistas e economistas de 650 mil vagas.

Apesar de ficar abaixo das expectativas, o indicador deixou o mercado de bom humor. Embora a possibilidade de o Federal Reserve elevar os juros neste momento seja praticamente nula, os números menores de novos empregos é um sinal positivo para países com juros mais elevados e portanto atraentes para os investidores externos, caso do Brasil. Menos vagas de emprego reduzem as chances de o Fed elevar os juros tão cedo. O banco central americano tem olhado especialmente para a recuperação econômica e para a inflação.

Além disso, também movimenta o mercado as chamadas “ações-meme”, aqueles papéis que registram alta por conta de compras coordenadas em fóruns na internet. Depois da Game Stop, desta vez é a rede de cinemas AMC que entra no foco de investidores do Reddit. Apenas ontem, a rede de cinemas levantou US$ 587,4 milhões em capital.

Com isso, o Ibovespa fechou em alta de 0,40%, aos 130.125 pontos, e volume financeiro negociado de R$ 32,960 bilhões. Na semana, o Ibovespa fechou novamente no azul, com ganhos de 3,63% acumulados. Na outra ponta, o dólar acelerou as perdas da semana e fechou com queda de 0,95%, a R$ 5,035 na venda e R$ 5,036 na compra.

Ibovespa hoje, 4 de junho de 2021, quinto recorde

No Brasil, noticiário pouco movimentado. Há desconforto com matéria da revista The Economist, que colocou o País na capa ressaltando a gravidade da crise de saúde no Brasil, os problemas econômicos que surgiram e o papel negativo do governo de Jair Bolsonaro nessa crise.

A revista  avalia a possibilidade de um segundo mandato de Bolsonaro, destacando que o País passou por problemas graves antes desta gestão, mas que mais quatro anos do mesmo poderiam devastar a Amazônia e causar prejuízos irreversíveis. Diz  que Brasil estava doente e agora está em coma.

Também há ainda a preocupação com a possibilidade de “apagões” no segundo semestre por uma crise hídrica. Para especialistas, será difícil contornar o problema neste momento, já que alternativas de fornecimento de energia, como as termelétricas, deveriam ter sido acionadas ainda no começo deste ano.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes