CNJ quer plataforma de blockchain na preservação do meio ambiente

Foco é o desenvolvimento de soluções que contribuam com o Poder Judiciário na implementação da Agenda 3030

Entre a sexta-feira, 28, e o domingo, 30,  foi realizado o 1º Hacka LIODS CNJ, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com patrocínio da Microsoft entre um dos apoiadores. O evento, realizado totalmente online, contou com 157 profissionais que participaram de uma maratona de programação que se estendeu por 54 horas. Os resultados serão divulgados até a quinta-feira, 3 de junho.

O objetivo do CNJ, conforme destacado pela conselheira Maria Tereza Uille Gomes durante a live de abertura, foi o “desenvolvimento de soluções que contribuam com o Poder Judiciário na implementação da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU)”.

Organizado pelo Laboratório de Inovação, Inteligência e ODS (LIODS/CNJ) e pela empresa Judiciário Exponencial, o 1º Hacka LIODS mira o desenvolvimento de soluções que contribuam com a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 13, que se refere ao combate das mudanças climáticas. Também do ODS 15, cuja meta visa proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra, de acordo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU para o meio ambiente

Proteção do meio ambiente com blockchain

Utilizando a Plataforma Desafios e Experiências do Judiciário Exponencial (DEX2) e com a comunicação e interação feita pelo Aplicativo Discord, os participantes, divididos em três equipes, tiveram de encarar três desafios, para criar plataformas ou aplicativos que contribuam para a proteção do meio ambiente, utilizando sistemas de inteligência artificial e tecnologia de registro de dados descentralizados e compartilhados com segurança blockchain.

“O CNJ incorporou a Agenda 2030 na Estratégia Nacional do Poder Judiciário para o biênio 2021 – 2026, através da aprovação da Resolução CNJ n.º 325/2020, e traz para este Hackathon alguns desafios que deverão utilizar inteligência artificial e/ou blockchain para contribuir com a proteção do meio ambiente”, destacava a descrição do evento. 

Desafios dados pelo CNJ na preservação do meio ambiente

No primeiro desafio, que buscava melhorar o canal de comunicação da sociedade com o Judiciário (via judicial ou extrajudicial), o objetivo era responder como relatar análises quantitativa ou qualitativa da possível existência de crimes ambientais de invasão de florestas públicas ou de terras indígenas nos municípios, por hectares. 

O segundo desafio tratou da maneira como o Judiciário deve disponibilizar dados relativos a terras públicas onde ocorreu crime ou degradação.

Já o terceiro teve como foco a criação de um sistema público único (SireneExtrajud) de consulta do inteiro teor da matrícula no registro de imóveis e respectivas averbações de terras públicas identificadas no SireneJud, inclusive com averbações sobre a existência do número único dos processos judicializados ou dos processos administrativos.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes