Como é o voto impresso que Bolsonaro quer? Entenda a PEC

Abaixo vamos te explicar toda a polêmica em torno da discussão

Você deve ter acompanhado a polêmica em torno do voto impresso que está sendo discutida na Câmara Federal. Defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a ideia é que os números digitados pelo eleitor na urna eletrônica sejam impressos. Abaixo vamos te explicar toda a polêmica em torno da discussão e o como é o voto impresso que Bolsonaro quer já para as próximas eleições de 2022.

O que é a PEC do voto impresso?

A PEC 135/2019 é uma Proposta de Emenda Constitucional que foi redigida pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) e tem como relator o deputado Filipe Barros (PSL-PR). Importante pontuar que os dois são parlamentares da base de Bolsonaro.

A PEC acrescenta um artigo à Constituição Federal que prevê que na votação e na apuração de eleições, plebiscitos e referendos, seja obrigatória a expedição de cédulas físicas.

Além da impressão, fica prevista a conferência pelo eleitor. A cédula seria depositada em urnas ao lado do sistema eletrônico para possíveis auditorias.

Para valer, a PEC precisa ser pela Câmara Federal e também pelo Senado. Por se tratar de uma emenda à Constituição, é preciso que haja duas votações tanto na Câmara quanto no Senado e ter o voto favorável de pelo menos 3/5 dos parlamentares.

Como é o voto impresso que Bolsonaro quer em 2022?

O voto impresso defendido pelo presidente é o seguinte: já nas eleições de 2022, os números que cada eleitor digitar na urna eletrônica devem impressos e que os papéis sejam depositados de forma automática numa urna de acrílico.

A ideia de Bolsonaro é que, em caso de suspeita de fralde nas urnas eletrônicas, os votos em papel possam ser apurados manualmente.

Jair Bolsonaro tem alegado que o modelo de votação no Brasil, feito através da urna eletrônica, não é confiável. Apesar de ter sido eleito em 2018, o presidente diz que desde a última eleição houve fraude.

Embora não tenha apresentado nenhuma prova, Bolsonaro vem plantando a ideia do voto impresso entre parlamentares da base e eleitores que o apoiam.

O movimento de Bolsonaro ganha força justamente no momento em que o presidente tem acentuada queda na popularidade e também em pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de 2022.

Apesar da rejeição pela comissão, o presidente da Câmara, deputado federal Arthur Lira (PP-AL), disse que a proposta de adoção do voto impresso pode ser votada pelo plenário da Casa mesmo rejeitada pelo colegiado.

Isso porque as comissões especiais não são “terminativas”.

Como funcionaria o voto impresso?

Se a PEC for aprovada, a partir de 2022 os eleitores teriam uma impressora acoplada à urna eletrônica que imprimiria o voto digitado no computador.

A impressão do voto iria para uma urna lacrada de acrílico onde seriam armazenados todos os votos daquela seção eleitoral.

Pela proposta, o eleitor não poderá levar embora o comprovante, ele apenas observaria que o voto impresso foi dado ao candidato escolhido na urna eletrônica.

O que a proposta defende é que, em caso de contestação do resultado ou suspeita de fraude, o voto impresso possa ser contabilizado para conferir o resultado das eleições.

As urnas eletrônicas são seguras?

Como é o voto impresso que Bolsonaro quer
Foto: Divulgação/TSE

Vale ressaltar que as eleições no Brasil ocorrem através da urna eletrônica desde 2002 em todo o País. O sistema começou a ser implantado em 1996 e nunca teve nenhuma fraude comprovada.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) tem falado desde que o assunto veio à tona que o sistema é seguro e nunca se revelou vulnerável até aqui.

Ainda conforme o órgão, a urna eletrônica é colocada à prova em testes públicos realizados constantemente e nunca se comprovou nenhuma fraude.

Como está a tramitação do voto impresso no Congresso?

A PEC está prevista de entrar na pauta da votação na Câmara Federal. Anteriormente, a matéria teve o parecer pelo arquivamento aprovado durante comissão no último dia 6 de agosto.

Foi o presidente da Câmara, deputado federal Arthur Lira (PP-AL) quem decidiu pautar para votação, a PEC será analisada pelos 513 parlamentares que compõem a Casa.

O presidente da Câmara chegou a dizer que existem pelo menos 15 partidos contrários à proposta do voto impresso. O que, segundo ele, demonstra poucas chances de aprovação da PEC.

Se confirmar a votação da PEC nesta semana, os 513 parlamentares vão analisar a matéria. Para ser aprovada, a PEC do voto impresso precisa dos votos de 308 deputados.

A expectativa é de que o texto não alcance o apoio necessário para seguir adiante e acabe sendo arquivado.

Isso porque o projeto já vinha sofrendo derrotar na Câmara. Na semana passada, membros da comissão especial da PEC rejeitaram dar um parecer favorável para que a PEC seguisse adiante.

Foram 23 votos a 11 e a PEC acabou rejeitada. No entanto, será colocada em pauta para votação dos parlamentares nesta semana.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes