Como funciona a urna eletrônica nas eleições do Brasil?

Como funciona a urna eletrônica? O sistema foi implantado em 1996 para facilitar as eleições no Brasil. Um país do tamanho de um continente com várias particularidades precisava de um sistema que permitisse a contagem dos votos de maneira rápida e segura em todos os municípios.

Nas últimas 13 eleições, os brasileiros votaram através da urna eletrônica. Apesar de nunca ter sido comprovado qualquer indício de fraude, o tema vem sendo muito discutido em 2021.

O que é a urna eletrônica? 

No lugar do voto impresso, o Brasil utiliza a urna eletrônica, que são fabricadas por uma empresa contratada através de licitação pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e inspecionada por técnicos do Tribunal.

O equipamento apenas grava a indicação de que o eleitor já voltou e o sistema “embaralha” o voto, desta forma, é garantido o sigilo, conforme estabelece a Constituição Brasileira.

Com uma vida útil de 10 anos, as urnas funcionam com um software próprio, desenvolvido pelo TSE, que faz a inclusão de todos os candidatos e computa o voto.

Importante ressaltar que a urna eletrônica só funciona no dia das eleições e não estão conectadas à internet ou ao sistema do TSE, o que impede que ela seja “hackeada” ou invadida.

Como funciona a urna eletrônica? 

A urna eletrônica é um microcomputador usado especificamente nas eleições. São dois terminais, o primeiro deles é o do mesário, onde você passa antes de ir até a cabine votar.

Neste primeiro terminal, o eleitor passa pela identificação e é autorizado a votar.

Ao mesário, o cidadão apresenta o título, documento oficial com foto e faz a biometria. Tudo isso para garantir que o eleitor vote uma única vez.

Depois que o mesário confirma que o eleitor que está ali é aquele mesmo do documento, ele pode ir para a cabine de votação

No segundo terminal, fica a urna onde você digita o número do seu candidato, confere o nome e a foto e aperta “confirma”.

Ao finalizar a votação, a urna eletrônica vai armazenar aquele voto no cartão de memória, mas isso acontece de forma “embaralhada”, para garantir o sigilo do voto.

Como é feita a contagem dos votos na urna eletrônica?

As eleições acontecem das 8h às 17h. Quando chega ao fim, o presidente da seção eleitoral encerra o trabalho da urna, através de uma senha. Isso acontece para impedir que o sistema contabilize novos votos.

Depois de encerrada a urna, o presidente faz a impressão do “boletim de urna”, documento que descreve o resultado da eleição daquela seção específica. O boletim contabiliza os votos válidos, nulos, brancos e quantos eleitores compareceram.

A impressão é a garantia de que não haverá como manipular os votos. O documento inclusive fica à disposição dos candidatos, partidos e Ministério Público para conferência.

Ao emitir o boletim de urna, o cartão de memória é retirado e, nas capitais, entregue ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral). As informações que ali constam são criptografadas.

Em municípios onde não existem sedes do TRE, a contagem é feita em cartórios eleitorais, através de um sistema da Justiça Eleitoral.

Como funciona o sistema eleitoral brasileiro?

O sistema eleitoral brasileiro consiste em majoritário e proporcional.

  • Majoritário: este é o sistema quando você vota para presidente, governador, prefeito e senador.
  • Proporcional: quando você escolhe deputados federais, estaduais e vereadores é o sistema proporcional com lista aberta.

Entre os dois a diferença é seguinte: no majoritário, é eleito o candidato que tiver a maioria absoluta dos votos válidos, ou seja, mais da metade dos votos apurados, não contando aí brancos e nulos.

Se nenhum candidato atingir este índice, é realizado uma nova eleição, o segundo turno entre os dois mais votados.

Importante ressaltar que não há segundo turno nos municípios que tenham menos de 200 mil eleitores. Neste caso, é eleito o candidato que tiver o maior número de votos apurados.

Mais complexo, o sistema proporcional com lista aberta permite que o eleitor vote tanto no candidato como na legenda.

Nem sempre o candidato mais votado é eleito. Isso porque na apuração, é preciso somar o total de votos que cada partido obteve e somar aos votos de legenda e aos votos dos candidatos daquela legenda.

As cadeiras então para Câmara ou Assembleia são distribuídas de forma proporcional aos votos totais que cada partido obteve. A partir deste ponto, entram os candidatos daquele partido que tiveram maior votação.

Por conta disso, quando um candidato é muito bem votado, acaba “puxando” votos e contribui para eleger candidatos da mesma legenda mesmo que não tenham conseguido um bom número de votos.

Quem conta os votos nas eleições?

Ao terminar uma eleição, o sistema de cada uma das urnas faz a apuração dos votos e produz um arquivo chamado RDV (Registro Digital de Voto).

Este arquivo é inserido é  levado até um ponto onde tenha acesso à rede privativa da Justiça Eleitoral. Nas cidades onde existem sedes do TRE, é no Tribunal Regional que isso acontece.

Em municípios menores, a transmissão pode ser feita nos locais de votação e nos cartórios eleitorais.

Quando se trata de uma eleição para presidente, a contagem final é feita no TSE, a partir de todos os dados recebidos.

Já no caso de eleições para deputados, senadores, governadores, prefeitos e vereadores, quem finaliza a conta são os Tribunais Regionais Eleitorais. A divulgação oficial dos votos acontece pelo site do TSE.

O voto no Brasil é auditável?

Apesar de toda a polêmica em torno do processo eleitoral, o TSE garante que o voto no Brasil já é auditável. O tribunal explica que são realizadas uma série de auditorias: e cidadãos, partidos políticos, fiscais de partidos, candidatas e candidatos, OAB e Ministério Público podem fiscalizar todas as etapas.

Vejas algumas das auditorias disponíveis:

Verificação do resumo digital (hash) – são algoritmos que mapeiam dados grandes ou de tamanho variáveis e os transformam em dados pequenos ou de tamanho fixo através de cálculos matemáticos. Eles são gerados a cada eleição e possibilitam ao Ministério Público e aos partidos políticos verificarem se os arquivos das urnas correspondem aos arquivos lacrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Reimpressão do Boletim de Urna – É possível reimprimir os boletins de urna de qualquer urna encerrada, após as eleições, para conferência futura. Ao término da votação, a urna imprime um Boletim de Urna, detalhando todos os votos coletados no aparelho e o documento é colado na porta da seção eleitoral para conferência dos interessados.

Verificação de assinatura digital – A assinatura digital é uma técnica criptográfica usada para garantir que o arquivo digital possa ser verificado quanto à sua integridade e autenticidade, ou seja, que o arquivo original não foi modificado e que tem origem oficial, gerado pelo TSE.

Auditoria do código-fonte lacrado e armazenado no cofre do TSE – É possível verificar os códigos-fontes das eleições passadas. O principal produto da lacração são as assinaturas digitais dos softwares usados nas eleições, que serão verificadas pelo hardware da urna, a principal barreira contra ataques externos. Isso impossibilita que o código tenha sido alterado após a eleição.

Recontagem dos votos por meio do Registro digital do Voto (RDV) – O RDV é uma espécie de tabela digital onde são armazenados todos os votos digitados na urna, de forma aleatória. Assim, o RDV possibilita a recuperação dos votos para recontagem eletrônica. Comparação da recontagem do RDV com os boletins de urna (BU’s)

Assista o vídeo do Presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, com explicação sobre como funciona a urna eletrônica.

Relacionado – Qual país usa urna eletrônica além do Brasil?

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes