Eleições Amapá: dia de votação é adiado na Capital Macapá

Ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Luis Roberto Barroso, acatou o pedido de adiar o pleito na capital do estado, por conta do apagão que aconteceu na região.

Eleições Amapá – Na quinta-feira (12), O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou a decisão do presidente do órgão, Luis Roberto Barroso de adiar as eleições municipais na cidade de Macapá, capital do Amapá. A decisão no plenário foi unanime. A atitude foi por conta da crise que o local está passando após ter sofrido com um apagão em 80% dos municípios no dia 3 de novembro.

Eleições municipais adiadas no Amapá

O Tribunal Regional do Amapá (TRE-AP) fez um pedido para que os dias do pleito fossem adiados na capital amapaense, por conta da falta de energia. A situação ainda não foi regularizada totalmente no estado. O  TRE-AP pede para que o adiamento se dê “até o restabelecimento regular da energia elétrica” no município. O TSE decidiu pelo adiamento. Barroso afirma na decisão que “Fatos extraordinários e imprevisíveis tornaram inviável a realização de eleições em Macapá, já que ainda não foi restabelecido o regular fornecimento de eletricidade no município e o efetivo da Polícia Militar não se mostra suficiente para garantir a segurança dos eleitores. Nesse contexto, não é legítimo exigir que a população de Macapá seja submetida ao sacrifício extremo de ser obrigada a comparecer às urnas em situação de calamidade pública, reconhecida por decreto municipal, e, ainda, de risco à segurança”.

Além disso, o presidente do TSE baseia a decisão no artigo 187 do Código Eleitoral contempla a possibilidade de adiamento do pleito por motivos excepcionais. Ele afirmou que o adiamento da data não reabre quaisquer outros prazos do processo eleitoral.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

No restante do estado, o TRE-AP argumenta que “a situação de segurança do eleitor poderá ser mantida sob controle, com o aparato de segurança atualmente disponível”, por isso, o adiamento seria apenas em Macapá. Barroso acatou a decisão, mas o TSE afirma que as eleições devem ocorrer ainda em 2020, com data limite para o dia 27 de dezembro. Para não adiar os mandatos dos eleitos. O ministro Alexandre de Moraes argumentou que a votação deve ocorrer o mais rápido possível. Os ministros afirmam que vão acompanhar a situação de perto para garantir que o primeiro e segundo turnos acontecem no menor período de tempo.

O que aconteceu?

Na noite do dia 3 de novembro, o Amapá sofreu com uma tempestade e, consequentemente, um incêndio nos geradores de energia do estado. Com isso, o sistema elétrico e hidráulico ficou comprometido em 13 dos 16 municípios do estado. O governo federal afirmou que em até 10 dias a situação estariam completamente resolvida. Porém hoje (13), o Amapá enfrenta o 11° dia sem uma solução concreta.

Como está a situação?

Foto mostra protesto no Amapá

A Concessionária Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LTME) restabeleceu mais de 80% da capacidade energética do estado e, desde o último sábado (7), religa a luz em sistema de rodízio. O prazo é que para que até quinta-feira exista uma solução completa a situação elétrica no estado. quem estabeleceu essa decisão foi o juiz João Bosco Soares. Além de afirmar que a multa para o descumprimento da norma é de 15 milhões de reais.

Em nota, a concessionária diz que não comenta processo, mas que desde o apagão, na noite de 3 de novembro, tem atuado para a retomada total da eletricidade no Amapá.

O fornecimento de energia funciona com uma espécie de rodízio em turnos alternados de 3 e 4 horas, com exceção de bairros de Macapá e Santana, pois ficam na proximidade de hospitais, unidades de saúde e fornecedoras de serviços essenciais, como distribuição de água tratada.

O apagão motivou pelo menos 80 protestos no estado. A população pede para que a situação seja normalizada e reclama de falhas no sistema de distribuição por rodízio.

Eleições no resto do país

No restante do estado do Amapá e no Brasil, as eleições vão ocorrer no dia 15 de novembro e o segundo turno, onde tive, no dia 29. O horário de votação foi estendido por conta da pandemia do coronavírus. Agora, ele será das 7h até às 17h. Mas o intervalo entre 7h e 10h será destinado para pessoas com mais de 60 anos, por fazerem parte do grupo de risco.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes