Em protesto, Vem Pra Rua pressiona Cunha por impeachment

Cerca de 300 manifestantes do vem pra rua, segundo os organizadores, participam de uma passeata nesta segunda-feira, 19.

SÃO PAULO – Cerca de 300 manifestantes do vem pra rua, segundo os organizadores, participam de uma passeata nesta segunda-feira, 19, entre o Largo da Batata a e a Av. Faria Lima, em Pinheiros, para pressionar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a dar prosseguimento ao pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

Os manifestantes defendem que seja levado ao plenário da Câmara o pedido assinado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr e Janaína Paschoal. O grupo é liderado pelo Vem Pra Rua, uma das organizações responsáveis pela convocação das últimas manifestações contra a presidente Dilma. Com o mote “natal sem Dilma”, o VPR afirma que vai se reunir novamente na quinta-feira se Cunha não encaminhar o pedido. “Nosso mote é o impeachment, e o primeiro passo é pressionar o Eduardo Cunha para que coloque em pauta no plenário da Câmara”, afirma Rogério Chequer, porta-voz do Vem Pra Rua.

Os manifestantes, contudo, não fizeram menção às denuncias que envolvem o presidente da Câmara Eduardo Cunha, denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato e que teve suas contas no exterior rastreadas pelo Ministério Público da Suíça. A documentação chegou ao Brasil nas últimas semanas e revelou que Cunha e seus familiares ocultaram R$ 61 milhões no exterior, incluindo contas em bancos suíços e nos EUA. O caso deu origem a um novo inquérito contra o presidente da Câmara e sua esposa no Supremo Tribunal Federal.

governoMembro do vem pra rua

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Entre os manifestantes que discursaram está o ator Alexandre Frota, que criticou outros colegas por serem contra o impeachment. “Não sou um artista vendido como o Jô Soares”, afirmou. Segundo o Vem Pra Rua, estão acontecendo manifestações simultâneas em outras cinco cidades nesta segunda-feira: Porto Alegre (RS), Recife (PE), Vitória (ES), Maceió (AL) e São Carlos, no interior de São Paulo. A manifestação fechou uma das vias da Faria Lima, no sentido Itaim.Os grupos anti-Dilma mudaram a estratégia e decidiram marchar separados, em vez de organizar um evento unificado como os que aconteceram neste ano.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes