Privatizar os correios é o plano do Governo. Entenda o caso.

Desde a candidatura do presidente Jair Bolsonaro, os projetos de privatização foram uma de suas principais promessas. Entre as empresas mais visadas para o processo, estão os Correios. Passando por uma greve desde agosto, uma das pautas dos grevistas é a intenção do Governo em privatizar os Correios.

Desde a candidatura do presidente Jair Bolsonaro, os projetos de privatização foram uma de suas principais promessas. Entre as empresas mais visadas para o processo, estão os Correios. Passando por uma greve desde agosto, uma das pautas dos grevistas é a intenção do Governo em privatizar os Correios.

 

O que significa privatizar os Correios? 

A privatização de estatal acontece quando ela é vendida para a iniciativa privada. Isso ocorre muitas vezes porque a empresa não está mais gerando lucro ou por estar enfrentando crises financeiras. Tal venda geralmente é realizada por meio de leilões públicos.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Posicionamento do Governo sobre a privatização

Bolsonaro promete desde sua candidatura privatizar os correios
Imagem: Reprodução / Pinterest

Já no ano passado, o Presidente da República sinalizou em sua conta pessoal os planos em relação aos Correios. Segundo ele: “Serviços melhores e mais baratos só podem existir com menos Estado e mais concorrência, via iniciativa privada.

Entre as estatais, a privatização dos Correios ganha força em nosso Governo”, escreveu em sua conta pessoal do Twitter. A argumentação tem a ver com a queda do envio de correspondências e o avanço do e-commerce.

Diante dessa situação, os Correios vêm perdendo espaço no setor de entregas para as transportadoras. Assim, a pressa em privatizar os Correios seria devido à perda dessa fatia de mercado, que acabaria por tornar a venda da empresa inviável.

 

Efeito da Pandemia 

Entregas feitas durante a pandemia se intensificaram
Imagem: Reprodução / Unsplash

No entanto, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), a empresa detém o monopólio do setor postal, respondendo por 60% das entregas do e-commerce.

Ainda, a associação registrou uma alta de 25% das encomendas durante a pandemia de covid-19. Mas, infelizmente, a qualidade do serviço não têm alcançado a demanda.

No site Reclame Aqui, as queixas contra a empresa subiram mais de 130% na pandemia. As queixas aumentaram também nos Procons. Em São Paulo, por exemplo, reclamações cresceram 400%.

Mas essa ineficiência na entrega se deve, além disso, à redução do quadro de colaboradores por causa da pandemia do covid19.

Com todo esse cenário, apesar do aumento de 25% das encomendas, os Correios calculam queda de receita de R$ 820 milhões no primeiro semestre deste ano. Por isso, deu início a uma negociação salarial e propôs o fim ou a redução de uma série de benefícios, o que culminou em greve dos Correios.

 

 

Argumento dos grevistas

Diante desse cenário, além da dívida da empresa acumulada em R$ 2,4 bilhões, as discussões sobre privatizar os Correios se acentuaram. Mas nem todos apoiam as razões comerciais dadas pelo governo Bolsonaro.

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) e a Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Correios já avisaram que vão se posicionar contra a proposta.

O argumento é em favor do compromisso social que os Correios têm com o país. Segundo as duas entidades, esta é a única empresa que chega a algumas das cidades mais isoladas do país. Com efeito, a iniciativa privada não vai querer atuar nessas comunidades que não dão lucro.

 

Privatização dos correios em outros países

Canadá, Rússia e até mesmo os EUA mantêm os correios locais sob o comando governamental. Outros países, como Alemanha, Portugal e Argentina, optaram por privatizar o serviço.

Nos Estados Unidos, a United States Postal Service (USPS) existe desde 1775 e é a única empresa a realizar serviços de entrega no país, segundo dados da companhia.

A estatal, apesar de ser alvo do Governo Trump para privatização, tem alto índice de aprovação pelos americanos (91%) e dificulta a proposta do Presidente.

 

Caixa de Correios dos Estados Unidos, o United States Postal Service (USPS)
Imagem: Reprodução / Unsplash

No Canadá, a companhia Canada Post possui exclusividade para coletar, enviar e entregar cartas aos destinatários do país. Já na Rússia, assim como no Brasil, a Russian Post tem como único acionista o Estado e é responsável também por ofertar produtos financeiros, além do serviço de entregas.

Segundo Ana Lúcia Pinto Silva, professora de economia da FAAP e Mackenzie, entende que em países maiores, as entregas precisam ir muito mais longe e em áreas de difícil acesso. “Talvez seja essa a explicação de manter um serviço público.

E em países ricos, menores, o setor privado consegue fazer a alocação de recursos e dar lucro com um pouco mais de facilidade”, argumenta.

Em contrapartida, a Alemanha optou por privatizar os correios já em 1989 – e teve sucesso. Lá, o Deutsche Bundespost se dividiu em outras três empresas, de economia mista, mas com maior participação e controle estatal.

Assim, a Alemanha manteve benefícios fiscais e subsídios durante cerca de 15 anos, e só em 2005 é que investidores obtiveram o controle da empresa, que hoje se chama DHL.

 

Países onde a privatização dos Correios não deu certo

No entanto, na Argentina a história foi outra. Encontesa (Empresa Nacional de Correios e Telégrafos S.A.) passou pela privatização em 1997 e vendida a Maurício Macri, que viria a se tornar presidente do país anos depois. Como a empresa compradora deixou de pagar o Estado pela compra, a empresa voltou a ter o controle estatal em 2003.

Da mesma forma, outro país que deve devolver o controle dos correios ao governo é Portugal, que privatizou os correios, mas não atinge a qualidade necessária para o serviço.

 

O que muda se o Governo privatizar os correios?

Uma das mudanças diz respeito ao monopólio de entregas de correspondência, que hoje está sob o poder pela Constituição.

Entretanto, o mesmo não acontece com a parte de entregas, por exemplo. Isso quer dizer que, ainda que qualquer pessoa possa montar sua empresa para fazer entregas de produtos, apenas os Correios podem trabalhar com a entrega de cartas e telegramas. Essa situação mudará se o governo privatizar os Correios.

Também deve haver reestruturações organizacionais que levem a demissões de boa parte do efetivo, além de fechar algumas unidades de atendimento.

Mas de forma prática, de imediato, para o consumidor pouca coisa mudaria. A princípio, as taxas devem permanecer as mesmas por um período e as entregas também.

Na verdade, o que alguns acreditam é que com o passar do tempo o maior problema será a entrega em cidades menores. Com o fechamento de unidades, para tornar os Correios viáveis economicamente, cidades menores ou mais distantes podem ficar sem entregas.

 

Possíveis compradores

Segundo o ministro das Comunicações Fábio Faria, empresas como Magalu, DHL, FedEx e Amazon têm interesse na compra dos Correios. As empresas, no entanto, não confirmaram o interesse publicamente.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes