Rodrigo Pacheco: quem é o novo presidente do Senado?

O senador mineiro conseguiu mais da metade dos votos, totalizando 57, e se elegeu como sucessor de Davi Alcolumbre na Casa.

Com apenas seis anos de carreira política, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) foi eleito presidente do senado com 57 votos. O candidato tinha apoio de Jair Bolsonaro (sem partido) e do ex-presidente da casa Davi Alcolumbre (DEM-AP). Sua principal oponente era Simone Tebet (MDB-MS), que teve 21 votos.

Quem é Rodrigo Pacheco?

Nascido em Porto Velho (RO), Pacheco foi criado na cidade de Passos, em Minas Gerais.  O senador tem 46 anos. Formou-se em direito na PUC Minas e se tornou advogado criminalista. Em sua carreira defendeu políticos e empresários em casos de grande repercussão, como o Mensalão.

Além disso, Rodrigo Pacheco foi conselheiro seccional por dois mandatos e presidente da Comissão de Defesa, Assistência e Prerrogativas dos Advogados na OAB. Em 2012 foi eleito Conselheiro Federal da OAB por Minas.

Carreira politica

Embora tenha alcançado um cargo alto na noite de ontem, a carreia de Pacheco começou há apenas seis anos, quando foi eleito deputado federal pelo PMDB. Em 2016 votou a favor do impeachment da presidente Dilma Roussef. No mesmo ano, Pacheco concorreu à prefeitura de Belo Horizonte. Contudo, ficou em terceiro lugar e não foi ao segundo turno. Na ocasião, Alexandre Kalil foi eleito.

Foi eleito presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da câmara, em 2017, quando validou as assinaturas das “Dez Medidas Contra a Corrupção”. À época, presidiu a sessão que analisava as acusações de corrupção passiva contra o ex-presidente Michel Temer. Embora Pacheco tenha recomendado continuidade ao processo, se absteve da votação, justificando que seria imparcial.

Em 2018, Pacheco deixa o MDB e filia-se ao DEM, a ideia era concorrer ao governo de Minas. Contudo, sua candidatura não foi oficializada e ele concorreu, então, ao senado. Foi eleito neste ano, junto com Carlos Viana (PSD), seu mandato dura até 2027. Ontem foi eleito com 57 votos o novo presidente do Senado Federal.

- PUBLICIDADE -

Pacheco fez muitas alianças dentro da casa para conseguir apoio em sua candidatura. Partidos de direita, centro e até mesmo de oposição como o PT o apoiaram neste ano. Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente, também foi favorável a sua eleição.

Leia também

‘Mimimi’, diz Bolsonaro após recorde de mortes…

Doria ataca Bolsonaro sobre pior momento da pandemia:…

Rodrigo Pacheco
Pronunciamento de Pacheco (Foto: Agência Senado)

O que defende Rodrigo Pacheco?

Pacheco está mais alinhado à direta politica, sendo aliado ao governo federal. Com relação a temas econômicos, Pacheco tem perfil liberal e votou a favor das pautas do ministro Paulo Guedes. Contudo, ainda sim Pacheco defende a prorrogação do auxilio emergencial. Em 2017, votou a favor da reforma trabalhista.

Mesmo sendo um liberal, recentemente votou a favor de um decreto que barrava a flexibilização do porte de armas. Ou seja, diferiu de Bolsonaro na chamada pauta de costumes.

Pacheco prometeu trabalhar com foco na saúde pública, crescimento econômico e desenvolvimento social. Também defende a vacinação de toda a população.

Criticas

A família de Rodrigo Pacheco é dona de empresas no ramo de transporte rodoviários. As companhias Viação Real e a Santa Rita são administradas por seu pai. Pacheco sofreu criticas, pois no ano passado, o ex-deputado Arnaldo Silva Júnior, próximo ao senador e assessor de seu gabinete, se tornou o novo diretor da ANTT (Agência Nacional de Transportes). A ANTT fiscaliza empresas do ramo de transportes, das quais sua família é dona.

- PUBLICIDADE -

Por isso, Pacheco estaria sendo acusado de facilitar a vida empresarial de sua família, usando seu poder político.

Em nota enviada à Folha, na época, o senador argumentou que: “Não administro e não sou sócio direto dessas empresas familiares. Não misturo atividade parlamentar com assuntos pessoais e profissionais”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes