Lula, caso Queiroz e Bolsonaro: veja as pendências na volta do Judiciário

A corte vai ter que analisar decisões polêmicas e decidir como agir daqui em diante.

O recesso do Judiciário terminou na segunda-feira, 3 de agosto. A volta das atividades em Brasília conta com muitas questões pendentes a serem decididas em breve. Os casos são polêmicas e permeiam a operação Lava-Jato, que vão desde a suspensão do julgamento de Lula ao possível depoimento do presidente Jair Bolsonaro.

Decisões a serem tomadas com a volta do Judiciário

Confira as principais pautas que vão entrar em cena com a volta do Judiciário.

Foto: Agência Brasil/Reprodução

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

PL das Fake news – Volta do Judiciário

Baseado no inquérito das fake news, o ministro Alexandre de Moraes determinou o bloqueio internacional dos usuários investigados pelo STF. Agora, a corte vai poder rever essa decisão e, caso queira, revoga-la.

Depoimento de Bolsonaro

O ministro do STF Celso de Mello, analisa o pedido da Polícia Federal para que o presidente Jair Bolsonaro preste depoimento no inquérito instaurado após o ex-ministro Sergio Moro acusar o presidente de tentar interferir na PF. O procurador geral da república, Augusto Aras, defendeu que o presidente tem direito de definir como ele vai prestar  o depoimento ou até mesmo se vai ficar em silêncio.

Foro privilegiado de Flávio Bolsonaro

O senador Flávio Bolsonaro está sendo investigado no esquema de “rachadinhas” de seu gabinete. O Tribunal de Justiça concedeu ao filho do presidente foro privilegiado. Porém, o ministro do STF Gilmar Mendes vai analisar recurso do Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro contra a decisão e decidir se vai manter o foto ou não.

Investigação de José Serra

O senador José Serra está sendo acusando de ter cometido caixa 2 em sua campanha. Entretanto o presidente do STF, Dias Toffoli, suspendeu o mandado de busca e apreensão em seu gabinete, durante o recesso. Mas com a volta as atividades normais do Judiciário, quem vai continuar tomando conta do caso é o ministro Gilmar Mendes. Ele pode decidir por manter essa medida ou não.

Fabrício Queiroz

Fabricio Queiroz e sua esposa, Márcia Aguiar, foram liberados para permanecer em prisão domiciliar, pois sua defesa alegou risco de contágio pelo novo coronavírus na cadeia. Quem proferiu essa decisão foi o presidente do STJ, João Otávio Noronha, no começo de julho, em meio ao recesso. A decisão foi polêmica e alvo de críticas por alguns grupos. Porém, agora o caso volta para o seu relator original, o ministro Felix Fischer, que vai decidir se mantém ou reverte a decisão de Noronha.

Queiroz é ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro e amigo do presidente Jair Bolsonaro. Ele está sendo investigado no esquema de “rachadinhas” do gabinete do senador.

Lula e a suspeição de Moro – volta do judiciário

Por fim, uma das decisões mais polêmicas que devem ser tomadas é sobre o julgamento do pedido de suspeição do ex-juiz Sergio Moro, feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A defesa do ex-presidente argumenta que Moro, quando magistrado, atuou em conjunto com a acusação, sendo assim, parcial no julgamento. O vazamento de mensagens entre o juiz e promotores do caso reforçou esse argumento da defesa de Lula. Então Gilmar Mendes aguarda o retorno das sessões presenciais para dar continuidade ao julgamento.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes